Avançar para o conteúdo principal

The Bravery na Dança do Som

 Link da imagem

Hoje a Dança do Som traz uns bravos rapazes nova-iorquinos que já  são veteranos nas andanças musicais. Com influências pós-punk e electrónica, aliam ao rock n’ roll um toque de rebeldia e fascínio. Convosco: The Bravery. 

Por Ana Luísa Silva 

Apesar de 2003 marcar a data do início dos The Bravery, os mesmos começaram a programar todo o seu futuro ainda no século passado. O vocalista Sam Endicott, o teclista John Conway e Jonathan Togo (actual estrela cinematográfica em CSI: Miami) começaram a sua carreira musical em 1990 tocando em bares e pubs urbanos sob o nome de Skabba the Hut. Conseguindo alcançar um sucesso relativamente bom, o trio depressa começou a mexer os cordéis e a apressar novas músicas e novas posições na banda, acabando por dar início aos The Bravery. Depressa Michael Zakarin (guitarrista), Mike Hindert (baixista) e Anthony Burulcich (baterista) se juntaram à banda que tinha colocado um anúncio num jornal local de modo a recrutar mais gente e assim começar definitivamente a nova banda.

Os The Bravery apresentaram-se ao mundo em Brooklyn em Novembro de 2003, investindo num milhar de posters e três amostras de cds que continham “An Honest Mistake”, “No Brakes” e “Public Service Announcement” para mera auto-promoção. Achando que não seria suficiente, alistaram-se ainda no MySpace, sendo das primeiras bandas a terem um perfil no mesmo.

Após uns breves meses de liderança em pequenos clubes que esgotavam a lotação, os The Bravery sentem-se confortáveis o suficiente para lançarem o seu primeiro EP no ano de 2004 , chamado “The Unconditional” e que valeu à banda óptimas críticas e o título de “next big thing” da cena musica nova-iorquina. Na primavera desse ano, o grupo ainda foi convidado para serem cabeça de cartaz de um festival, coincidindo com o lançamento do seu novo álbum homónimo de originais “The Bravery”. 

“An Honest Mistake” foi denominado como primeiro single da banda, chegando a número 7 no top do UK Singles Chart e a número 12 no US Modern Rock Chart. O segundo single ”Fearless” foi lançado em Maio de 2005, altura em que a banda foi convidada a fazer três espectáculos num único dia, sendo obrigados a deslocarem-se de helicóptero desde o festival Homelands em Winchester, para o concerto dos Duran Duran em Birmingham e depois para Londres. Um dia de loucos mas que valeu a pena, se tivermos em conta que os três espectáculos não demoraram muito a esgotar. Esta fama fez com o The Bravery acompanhassem os U2 em digressões europeias e voltassem a esgotar concertos e festivais,  como foi o caso do concerto em Dublin que deram em Junho de 2005 e encheu com cerca de 90 000 pessoas.


 
Como se 2005 já não estivesse a ser um ano maravilhoso para a banda, ainda tiveram a oportunidade de actuar no Festival Paredes de Coura em Portugal, e fazer a abertura do concerto dos Depeche Mode em 2006 no Pavilhão Atlântico em Lisboa.

2007 marca o ano de mais um álbum da banda. “The Sun and the Moon” foi lançado, alcançando o número 24 no US Album Charts e sendo aclamado como o início de uma cena que paira entre um misto de pesada e electrónica. “Believe” é o single que extraem do álbum,  chegando a número 4 no US Alternative Charts em Abril de 2008 e permanecendo nessa posição durante um mês e meio. Duas semanas apenas após o lançamento do álbum, os The Bravery voltam a digressões nos Estados Unidos e acompanhando os Incubus e os Smashing Pumpkins. Contudo, o álbum nunca foi comercializado na Grã-Bretanha porque a BBC tratou-os como mais uma banda famosa, exagerando nas publicidades e aborrecendo todos os elementos.

Em 2009 sai o primeiro single do novo álbum “Stir the Blood”. “Slow Poison” é-nos presenteado como um vídeo espacial e escuro. Com um som mais indie e sintetizado é um vídeo que lembra uns Daft Punk menos animados.Slow Poison consegue exceder as expectativas e encaixar-se na perfeição na letra. 
Sintonia máxima, amor à primeira audição é o que sentirá , mal se renda aos nova-iorquinos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …