Avançar para o conteúdo principal

Trabalhadores do Comércio no Luso Vintage

Link da imagem

Ninguém diria que deram os primeiros passos nos anos 80. O que cantam aplica-se que nem uma luva aos tempos modernos.  Trabalhadores do Comércio rima com ironia, boa disposição ,  argúcia e claro…música! 

Por Gabriela Chagas

Trinta anos depois de dar os primeiros passos, o grupo em destaque no Luso Vintage do Som à  Letra, mostra que o passado é ainda presente e que temas como “Chamem a Polícia” poderiam muito bem ter sido escritos nos dias de hoje. A crise afinal é a mesma. 

Eram dez para uma no restaurante
Almoçava alarvemente
A meio do café um garçon pedante
Chegou-se e pôs-ma conta frente
Atão bebi o brande todo dum trago,
Berrei pró homem num pago, num pago;
O gaijo bronco chamou o gerente,
Saltei pa trás, saquei, saiu o pente...
Pra num andar cadeiras pru are,
Atão pus-ma gritar:
Chamem a policia, chamem a policia,
Chamem a policia Chamem a policia, queu num pago. 

Os Trabalhadores do Comércio são uma banda portuguesa formada na década de 80 por Sérgio Castro (guitarra e voz) e Álvaro Azevedo (bateria e voz). Juntos começam em 1979 a alinhavar as bases do grupo. 

Um sotaque do norte inconfundível e uma grafia discográfica que não engana as origens.
Alcançaram grande sucesso com temas como Chamem a Polícia, A Cançom Que o Abô Minsinou, A Chabala do Meu Curaçom, Apunhalaste a Minha Mãe, Molhareita Fartura na Tua Tassa Quente ou Taquetinho Ou Lebas Nu Fucinhu.



Em 1986 participaram no Festival RTP da Canção com o tema Tigres de Bengala, que se classificou em primeiro lugar exequo.

Pelo grupo passam outros nomes, outras vozes, outros sons: Diana Basto (que saltou para o estrelato através do seu trabalho com Pedro Abrunhosa), Jorge Filipe Santos (piano), João Médicis (guitarra e voz), Pony (Guitarra), Marta Ren (voz), Daniela Costa (voz) e Miguel Cerqueira (Baixo). 

Em 2010 presentearam os nossos ouvidos com um EP promocional,  com uma sonoridade mais limpa. O novo álbum está ainda em espera, mas os espectáculos ao vivo são uma realidade. Os palcos continuam a ser deles. 

Em breve estarão em Lisboa, no auditório Malaposta, 09 de Junho às 21.30.

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …