Avançar para o conteúdo principal

Seinfield na Máquina do Tempo



A famosa “série sobre nada” continua a ser transmitida nas televisões em todo o mundo desde finais dos anos 80. Porquê?O que  fez com que ninguém ficasse indiferente a Seinfeld?

Por  Miguel Ribeiro
Originalmente publicado a 23 de Dezembro de 2010

Criada por dois comediantes ,Larry David e Jerry Seinfeld, esta série surgiu pela primeira vez no ar na NBC em 1989. Passada essencialmente no apartamento de Jerry (que interpretava uma versão ficionalizada dele próprio) esta envolvia também o seu “gangue”, protagonizado por  George Constanza (Jason Alexander), Elaine Benes (Julia Louis-Dreyfus) e Cosmo Kramer (Michael Richards).

 Na altura em que surgiu, Seinfeld apresentou inovações ao nível da narrativa ,que não se tinha ainda visto em sitcoms. Usualmente este tipo de séries apresentava uma família ,onde  em cada episódio existia um problema e estes tinham que  resolvê-lo, sempre com uma moral a ensinar , fazendo com que a audiência sinta algum tipo de empatia pelas personagens.

Em Seinfeld, esta “regra” não se cumpre. As estórias desenvolvem-se à volta de trivialidades diárias da vida , como esperar na fila para ver um filme; tomar um café e conversar ou reclamar das pequenas coisas e injustiças que aparecem no nosso percurso.

Se repararmos, a série em si tem uma visão muito negativista da vida (provavelmente culpa de Larry David, criador e personagem principal da série Curb Your Enthusiasm). As quatro personagens principais não têm ligações de parentesco, são todos adultos solteiros sem grandes morais, regra geral os episódios não envolviam finais felizes, a não ser que fossem à custa da miséria de outrém e nunca aprendiam nenhuma lição ou evoluiam por terem cometido erros.

Do que se sabe da série, é que não se queria que se criasse grandes ligações emocionais com as personagens, havendo até uma frase que diziam os criadores: “No hugging, no learning” (nada de abraços nem aprendizagem).

Todas as quatro personagens principais são egocêntricas e hostis a todos os que entram no seu pequeno círculo. Há sempre um ponto na série, em que uma personagem secundária que foi introduzida, irá desaparecer devido a algum sarilho em que George, Elaine, Kramer ou Jerry se tenham envolvido e não queiram dar o braço a torcer.

Mas talvez por isso é que se tornaram tão mágicas para nós, audiência. Vemos estas pessoas a seguirem o seu caminho, representando pequenas características que revemos em nós próprios e nos outros, normalmente sempre negativas como, mesquinhez, inveja, egocentrismo, desonestidade, futilidade, entre outras, mas que como está num pacote de comédia não deixamos de querer ver o próximo episódio e as peripécias em que se vão envolver.

 Será que George vai finalmente deixar de ser um falhado e alcançar sucesso? Será que Elaine vai finalmente encontrar o homem da vida dela? Qual será a próxima mesquinhez que Jerry apresentará para acabar com uma namorada? Como será a próxima entrada de Kramer em casa de Jerry? Nós sabemos sempre a resposta a estas perguntas, mas nem por isso deixamos de ver o episódio que segue.

Talvez por isso seja a série que há mais tempo é repetida na televisão norte-americana e essencialmente no resto do mundo. Nunca cansa ,porque representa uma faceta de nós mesmos. Aquele lado negro que nunca ninguém quer ver expresso, mas que ás vezes acontece, e que assim como na série, tem algum tipo de consequência (ver último episódio) tal e qual como acontece connosco na realidade.

Para recordar:


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …