Avançar para o conteúdo principal

Peste & Sida no Luso Vintage




Link da imagem

No ano de comemoração de 25 anos de existência, os Peste & Sida estão de regresso aos álbuns com a edição de “Não Há Crise”, lançado no início do mês de Maio. Esta é a resposta da banda aos tempos difíceis que o país atravessa, mantendo o espírito crítico e mordaz que sempre caracterizou o grupo. Juntamente com o álbum vão ainda ser lançados duas edições especiais: um disco de tributo com a participação de várias bandas nacionais e um livro biográfico, que percorre a carreira do grupo formado em meados da década de 80.


Por Carmen Gonçalves


Surgiram no Verão de 1986 com a formação inicial constituída por João San Payo no baixo, Luís Varatojo na guitarra, Raposo na bateria e João Pedro Almendra na voz. No ano seguinte participaram no 4º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vous, tendo conseguido um contrato de gravação com uma editora independente, a Transmédia. Foi então editado o primeiro longa duração da banda “Veneno”, que assentava num registo punk rock, visível em temas como "Veneno", "Furo na Cabeça", "Gingão" ou "Carraspana". Os Peste & Sida começaram, assim, a participar em muitos espectáculos e a actuar como banda de abertura em alguns concertos dos Xutos & Pontapés.

Em 1989 saiu para as lojas o segundo registo de originais “Portem-se Bem”, e o som do grupo começou a expandir-se a outros géneros musicais. O reggae e o ska assumiram um papel importante neste álbum, que confirmou o sucesso da banda. Neste disco encontramos o maior êxito da carreira dos Peste & Sida, e vinte anos mais tarde ainda é entoado por muito boa gente. Referimo-nos ao single “Sol da Caparica”, uma versão de uma música americana dos anos 60.





Entre concertos e mudanças na banda, em Abril de 1990 foi editado o terceiro álbum “Peste & Sida é Que é”, já com a nova formação. Este disco incluía uma versão do tema “A Morte Saiu à Rua” de Zeca Afonso e outros temas como o “Vamos Ao Trabalho!” e “Maldição”. Daqui para a frente a banda viria a ter várias formações, com entradas e saídas de alguns elementos.

Em 1992 foi lançado mais um registo de originais “Eles Andam Aí”, no qual residia o tema “RFM (Rock Faz Mal)”, uma crítica à estação de rádio RFM que se recusava a passar os temas do grupo. No ano seguinte foi editada a primeira compilação da banda “O melhor dos Peste &Sida”, que reunia os temas dos dois álbuns lançados pela editora Polygram.

Nos anos seguintes o grupo  começou a desenvolver uma actividade paralela, sob o nome de Despe &Siga. Durante algum tempo existiriam as duas bandas, até que a saída de San Payo levou à extinção dos Peste & Sida.

No ano de 2002 foi lançado pela Universal uma nova compilação “A Verdadeira História dos Peste & Sida”, um disco que foi bem aceite pelos fãs. Talvez por isso em 2003 a banda voltou a reunir-se, agora com uma nova formação, da qual resultaram dois novos álbuns, “Tóxico” em 2004 e “Cai na Real” em 2007.

Em 2011 estão de pedra e cal com o lançamento de “Não Há Crise”. A formação actual conta com João Pedro Almendra na voz, João San Payo no baixo, João Alves na guitarra e Sandro Dosha na bateria. Neste novo álbum podemos encontrar uma versão do tema “Sol da Caparica” com uma letra adequada aos novos tempos.





"Já foste" é outro dos temas em destaque:




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …