Avançar para o conteúdo principal

Tiago Guillul no Inovaluso



Tiago Guillul é músico, mas também é blogger e pastor da igreja baptista. É o fundador da editora independente FlorCaveira, que ao longo dos últimos três anos alcançou uma notoriedade inesperada. O burburinho cresceu a partir do lançamento do seu quarto álbum, e rapidamente a notícia do pastor-cantor espalhou-se pelos media. É um dos impulsionadores do chamado “rock cristão” em Portugal, e sem recorrer ao evangelho conquistou uma pequena legião de fãs. Hoje no Inovaluso.

Por Carmen Gonçalves

Tiago Cavaco cresceu nos arredores de Lisboa e foi através da sua ligação à igreja baptista que a sua faceta musical se desenvolveu. A história deste cantautor começa ainda nos anos 90, na altura em que integrava os Bible Toons, uma banda de hardcore cristã. Foi com o fim deste grupo que o projecto a solo ganhou dimensão. De Tiago Cavaco passou a Tiago Guillul e aventurou-se a gravar a sua primeira maquete e os primeiros discos a solo. 

Gravou três  discos quase incógnito e foi com a edição do quarto álbum “IV” que obteve o reconhecimento do público e da crítica. Este registo conta com vinte temas originais, no qual podemos encontrar “Beijas Como Uma Freira”.



Em 2008 a sua editora começou também a ter projecção, com lançamentos de discos de diversos projectos que alcançaram um lugar de destaque no panorama nacional, como é o caso de Samuel Úria, João Coração, B Fachada, Diabo na Cruz, entre outros.

Em 2010 Guillul editou o seu quinto álbum, denominado simplesmente de “V”, à semelhança do anterior. Neste revisitou algumas influências de géneros musicais díspares que pautaram o seu trajecto, desde os tempos de adolescência até à consolidação do seu próprio estilo. Contou com um elenco alargado, tendo as participações especiais de Samuel Úria, Nick Nicotine, João Só, Joaquim Albergaria e Rui Reininho.



“V” foi a confirmação do talento musical de Guillul.
Já em 2011 disponibilizou no seu blog “Voz do Deserto” o álbum “Inverno Desinspirado do Rapaz do Sul do Céu (Uma pilhagem sonora em baixa-fidelidade com propósitos evangelísticos)”, como oferta do dia dos namorados para a sua comunidade de fãs. 

Apesar do seu trabalho a solo continuar, Guillul mantém a sua participação em outros projectos paralelos como membro activo das bandas Ninivitas, Guel, Guillul e O Comboio Fantasma, Os Lacraus e As Velhas Glórias. Os seus registos musicais, com mais ou com menos traços religiosos, continuam a assentar numa sonoridade que o próprio define como “música moderna portuguesa”. 

Com uma carreira que se estende por mais de uma década, Tiago Guillul, e mais recentemente conhecido por Tiago Lacrau, conquistou um lugar de destaque e de influência no meio musical nacional. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …