Avançar para o conteúdo principal

Fischer-Z em Modo Pop



Link da imagem

Os Fischer-Z fazem parte daquelas bandas que em algum momento das nossas vidas passaram pelos os nossos ouvidos, mas que raramente conseguem abrir caminho na atonia da música pop. 
Por Patrícia Rodrigues 
Originalmente publicado a 5 de Outubro de 2010

A banda foi formada pelo carismático e talentoso John Watts , juntamente com Steve Skolnik em 1976 na Inglaterra , com incursões no punk, art wave e reggae. O seu contributo para a cena musical do momento nunca foi devidamente valorizado pelos seus conterrâneos, mas acabaram por criar uma legião de fãs em países como a Austrália, Portugal, Espanha, França e sobretudo na Alemanha.

A carreira do grupo  inicia-se no circuito new wave/ punk ao lado dos seus contemporâneos The Buzzcocks, The Stranglers e Dr Feelgood .  Em 1979 lançam o seu primeiro álbum , “Word Salad”, com o hit “Remember Russia” divulgado por John Peel nas suas afamadas sessões.

No ano seguinte é editado o "bolachão" que irá marcar a época áurea da banda ,“Going Deaf For A Living”,  de onde são retirados vários singles: “Room Service”, “So Long”, “Crazy Girl” e “Haters”.

Levados pelo sucesso do segundo álbum a banda  lança em 1981  “Red Skies Over Paradise” , com o sucesso “Marliese” e que irá marcar o fim do grupo. Contudo , John Watts segue uma produtiva carreira a solo,  e em 1987 ressuscita os Fischer Z para lançar um novo álbum, “Reveal”, que foi rejeitado pela crítica . Segue-se “Fish’s Head” que não conquistou a opinião do público.

Em 1992 lançam o seu sexto trabalho de estúdio que teve uma boa recepção, “Destination Paradise” ao qual sucederam "Kamikaze Shirt" (1993), "Stream" (1995), "Ether" (2002). John Watts prossegue com o seu trabalho a solo com “Real Life Is Good Enough” (2004) , “It Has To Be” (2006) . Destaque para“Morethanmusic and films” (2009) que proporciona  uma interacção entre  o cinema e a vida real.

 Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …