Avançar para o conteúdo principal

Cream em Modo Classic Rock


Link da imagem


Numa estação de comboios inglesa um poeta influenciado por drogas (talvez LSD) escreve frases aparentemente desconexas… No final, formam um belíssimo poema. White Room é a música que o recebe, e torna-se num dos maiores êxitos da super-banda inglesa conhecida pelo nome de Cream.


Por Maria Coutinho
Originalmente publicado a 1 de Dezembro de 2010

Para quem viveu a fase psicadélica da década de 60 é impossível esquecer a banda onde Eric Clapton fazia as primeiras experiências de distorção da guitarra com o (agora) famoso pedal wah-wah. Além de Clapton, a banda era composta por Jack Bruce no baixo e voz, e Ginger Baker na bateria: todos reputados virtuosos nas respectivas especialidades.

White Room é um dos dos singles que integram o álbum Weels Of Fire, um marco na história desta banda, e até na história do rock, já que nunca antes uma álbum duplo tinha chegado à marca da platina pelas suas vendas. Lançado em 1968, consegue a proeza de chegar ao terceiro lugar na tabela britânica e ao primeiro da americana. Um feito extraordinário, sobretudo tendo em conta que também foi lançada uma edição separada dos dois discos: Wheels Of Fire In The Studio e Weels Of Fire Live at The Fillmore (mítica casa de espectáculos de San Francisco onde actuaram nomes tão importantes como Jimi Hendrix, The Doors ou Pink Floyd).

A letra da música é da autoria de Pete Brown, poeta britânico, que aqui fazia de letrista para as composições da banda. Os seus poemas, combinados com a música de múltiplas influências, do jazz ao rock psicadélico, resultam num movimento estético e musical - uma mistura de rock, blues e hard-rock - que constitui um embrião que mais tarde irá evoluir, dando origem ao rock progressivo e ao heavy metal.

O legado dos Cream com White Room é visível, por exemplo, nas muitas versões da música que o público pode conhecer: Stranglers, com uma perspectiva pós-punk, Helloweeen e Iron Butterfly num registo mais heavy ou Ringo Starr and The All Starr Band num enfoque mais clássico, são apenas alguns dos nomes que fizeram questão de partilhar connosco a sua interpretação deste clássico.

E não há dúvida quanto ao facto de este ser mesmo um clássico entre os clássicos: nenhuma crítica lhe ficou indiferente. Muito elogiado, embora alguns lhe apontem o dedo por esperarem algo radicalmente diferente dos anteriores trabalhos da banda, mencionando White Room como uma espécie de sucessor do tema Tales of Brave Ulysses. Tal não impediu, no entanto, a revista Rolling Stone de incluir Wheels Of Fire na lista dos 500 melhores álbuns de sempre, e o canal VH1 de classificar os Cream como a 16ª melhor banda de hard rock de sempre…

Razões de sobra para lembrarmos os enormes Cream, que bem mereciam ser melhor recordados e conhecidos pelas gerações mais jovens. Agora que já leu…. Não tem vontade de ouvir?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …