Avançar para o conteúdo principal

Janis Joplin em Modo Classic Rock

 Link da imagem


Música de intervenção, sátira social e uma espécie de último legado, tudo reunido numa irónica “oração” cantada pela voz imortal de Janis Joplin: “Senhor, não me compras um Mercedes Benz?( …)”


Por Maria Coutinho 
Originalmente publicado a 8 de Dezembro de 2010 




Não é fácil cantar sem música de fundo ou de acompanhamento;  mais difícil ainda é soar bem à primeira. Mas foi isto mesmo que a diva do rock dos anos 60 fez com “Mercedes Benz”: pegou nas palavras de Michael McLure e, com uma única sessão de gravação (um só take), deixou-nos aquele que viria a tornar-se no seu êxito mais conhecido. 

Poeta, ensaísta e autor de peças para teatro, McLure merece aqui uma nota especial, já que é um nome importante na cultura da época. É um dos mais importantes poetas da geração Beat, na companhia de outros grandes como Allen Ginsberg e Jack kerouac. Mais tarde transita para o movimento contra-cultural Hippie que deu cor e uma nova luz aos anos 60 e 70, chegando a ser conhecido como o “príncipe da cena de S Francisco”, esse “tubo de ensaio” urbano onde fermentavam as ideias revolucionárias da geração das flores no cabelo e ideais de paz e fraternidade no coração.

Mc Lure é um grande apologista da consciência natural do animal-Homem, e Mercedes Benz uma crítica inequívoca ao Homem-materialista do século XX. Janis partilhava deste ponto de vista. Ouvimo-la dizer expressamente no inicio da gravação: “Gostaria de fazer uma canção de grande teor social e político”. Está tudo lá, basta ouvir as palavras que compõem a letra – a ideia subjacente é a de que demasiadas pessoas apenas vêem a sua felicidade nos bens materiais que conseguem obter: um Mercedes Benz,  uma tv a cores (hoje teria escrito “um plasma”), uma noitada na cidade…

Não deixa de ser irónico que a famosa marca de automóveis tenha usado esta música para promover as suas vendas, numa infame inversão dos princípios que inspiraram o poema…

Joplin não teria tempo para ver orquestrar a canção que gravou juntamente com uma mensagem de feliz aniversário para John Lennon nesse dia 1 de Outubro de 1970. Passados três dias, vítima do seu próprio estilo de vida, e como muitos dos maiores da sua geração,  a cantora tomaria a última dose de heroína, a dose fatal…

Quando Lennon ouviu os parabéns que a amiga lhe gravara, esta já o esperava naquele cantinho da Eternidade onde estão os mais sensíveis, para quem a vida é pesada demais para ser vivida sem Amor e poesia. Viria a juntar-se a ela em 1980, a 8 de Dezembro, data que o  Modo Classic Rock celebra com tristeza neste trigésimo aniversário. 
Para recordar : 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …