Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"


Patrick Wolf 


Optimus Alive 2011 (6/Julho), algumas notas…

Chegou ao fim mais uma edição do festival Optimus Alive. Para o ano regressa o formato de três dias que tem pautado este evento desde a sua estreia em 2007. Não sendo possível assistir à totalidade do evento, fiquei-me pelo primeiro dia, já que o objectivo principal era ver Blondie. Tendo falhado o concerto destes em 1999 na Praça Sony, era com alguma expectativa que aguardava para ver uma das bandas que marcaram a cena post-punk nova-iorquina. Na crónica de hoje vou apresentar algumas notas que escrevi sobre o primeiro dia do festival, a começar precisamente pela banda de Debbie Harry.

Por  Bruno Vieira

Blondie

“O concerto de Blondie foi um misto de sentimentos. O interesse era muito, dado terem sido uma banda referência do movimento post punk, cheia de sucesso, mas também sabia que a sua importância jamais seria valorizada por um público que maioritariamente queria ver Coldplay. Debbie Harry apresentou-se numa indumentária ridícula e terminou em beleza, lutando pelo público a pulso como se do primeiro concerto se tratasse. No início os problemas de som não ajudaram, mas uma vez corrigidos permitiram uma actuação competente e segura. Os anos podem pesar na maioria dos membros da banda, mas nem por isso o concerto que deram deixou de ser uma agradável e interessante experiência”. 



Coldplay

“Embora não tenham tocado temas como Speed Of Soud, Talk ou The Hardest Part, não foi por isso que os britânicos deixaram de protagonizar o momento alto da noite. Não sendo propriamente uma das minhas bandas de eleição, estava apesar de tudo curioso de os ver a fim de formular a minha própria opinião. Chris Martin e companhia excederam as minhas expectativas com uma performance convincente. Ao longo dos últimos dez anos os Coldplay têm feito bem os trabalhos de casa e bem merecem a recepção que tiveram no passeio marítimo de Algés. Sem problemas técnicos a reportar, bom som, efeitos visuais de encher o olho (mas sem exageros) e uma actuação segura da banda ditaram um concerto sem grandes surpresas. Mesmo antes das primeiras canções, o público já estava conquistado”




“Patrick Wolf esteve simplesmente surpreendente no palco Super Bock do Optimus Alive. Embora não tenha assistido a totalidade do concerto, tudo o que eu pensava deste músico londrino confirmou-se. As expectativas só não foram excedidas porque simplesmente era o que eu estava à espera de ver. A sua excentricidade não foi exagerada, numa actuação competente e segura (valorizada pelo instrumental clássico), com grande entrega, bom som e uma generosa dose de simpatia. Patrick Wolf é de facto um músico bastante completo, sendo um valor seguro do pop alternativo dos últimos anos”



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Charles Chaplin

 Filme "Luzes da Cidade" na Máquina do Tempo

Link da imagem

O Amor é cego
O amor é cego, não escolhe idade nem classe social. Não é interesseiro, é invisível e arde sem se ver, como tão bem demonstra Charles Chaplin no filme "Luzes da Cidade", de 1931. A película rodada em época de eclosão dos filmes sonoros é centrada numa história de amor simples, inocente, muda, mas que dá muito que pensar. 
Por Irene Leite 
Antes de mais, destaque para o olhar encantador que Chaplin impregna em cada cena do filme. É a filosofia do Carpe Diem, de viver e desfrutar cada momento, normalmente associado a aventuras deliciosamente caricatas. 
Em "Luzes da Cidade" assistimos à história de amor entre uma jovem cega e um vagabundo. O encontro entre os dois decorre de uma forma espontânea, na rua. O jovem fica logo interessado. Ao longo do seu percurso (sempre colorido na atitude) encontra um milionário excêntrico a tentar suicidar-se. Chaplin com a sua alegria habitual incentivou…

The Vaccines gravam novo álbum em Março

O próximo trabalho dos The Vaccines será gravado em Março e conta com a produção de Ethan Johns (Ryan Adams, Kings of Leon).


Justin Young , vocalista do grupo, avançou ao NME que o álbum será lançado ainda este ano.


Até lá...