Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"


Patrick Wolf 


Optimus Alive 2011 (6/Julho), algumas notas…

Chegou ao fim mais uma edição do festival Optimus Alive. Para o ano regressa o formato de três dias que tem pautado este evento desde a sua estreia em 2007. Não sendo possível assistir à totalidade do evento, fiquei-me pelo primeiro dia, já que o objectivo principal era ver Blondie. Tendo falhado o concerto destes em 1999 na Praça Sony, era com alguma expectativa que aguardava para ver uma das bandas que marcaram a cena post-punk nova-iorquina. Na crónica de hoje vou apresentar algumas notas que escrevi sobre o primeiro dia do festival, a começar precisamente pela banda de Debbie Harry.

Por  Bruno Vieira

Blondie

“O concerto de Blondie foi um misto de sentimentos. O interesse era muito, dado terem sido uma banda referência do movimento post punk, cheia de sucesso, mas também sabia que a sua importância jamais seria valorizada por um público que maioritariamente queria ver Coldplay. Debbie Harry apresentou-se numa indumentária ridícula e terminou em beleza, lutando pelo público a pulso como se do primeiro concerto se tratasse. No início os problemas de som não ajudaram, mas uma vez corrigidos permitiram uma actuação competente e segura. Os anos podem pesar na maioria dos membros da banda, mas nem por isso o concerto que deram deixou de ser uma agradável e interessante experiência”. 



Coldplay

“Embora não tenham tocado temas como Speed Of Soud, Talk ou The Hardest Part, não foi por isso que os britânicos deixaram de protagonizar o momento alto da noite. Não sendo propriamente uma das minhas bandas de eleição, estava apesar de tudo curioso de os ver a fim de formular a minha própria opinião. Chris Martin e companhia excederam as minhas expectativas com uma performance convincente. Ao longo dos últimos dez anos os Coldplay têm feito bem os trabalhos de casa e bem merecem a recepção que tiveram no passeio marítimo de Algés. Sem problemas técnicos a reportar, bom som, efeitos visuais de encher o olho (mas sem exageros) e uma actuação segura da banda ditaram um concerto sem grandes surpresas. Mesmo antes das primeiras canções, o público já estava conquistado”




“Patrick Wolf esteve simplesmente surpreendente no palco Super Bock do Optimus Alive. Embora não tenha assistido a totalidade do concerto, tudo o que eu pensava deste músico londrino confirmou-se. As expectativas só não foram excedidas porque simplesmente era o que eu estava à espera de ver. A sua excentricidade não foi exagerada, numa actuação competente e segura (valorizada pelo instrumental clássico), com grande entrega, bom som e uma generosa dose de simpatia. Patrick Wolf é de facto um músico bastante completo, sendo um valor seguro do pop alternativo dos últimos anos”



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …