Avançar para o conteúdo principal

MGMT na Dança do Som



Cabelos desgrenhados,  mal cortados, nada penteados. Olhares inocentes que no fundo nos tentam transmitir uma mensagem de maturidade única. Melodias enfeitiçadas e videoclips cheios de saltinhos. Simplicidade na forma de vestir e cor. Muita cor. Já sabe de quem falo? Não? Fique por aí então.

Por  Ana Luísa Silva 
Originalmente publicado a 17 de Dezembro de 2010

Nasceram em 2002 e puseram o Mundo inteiro a seus pés. Cozinham uma variedade de estilos musicais únicos que só os mais corajosos se atrevem. Se pensarmos numa mistura entre proto-electro punk, pop-friendly, rock psicadélico e muitos unicórnios temos o cocktail único que se dá pelo nome de MGMT.

Surgiram em Brooklyn, Nova Iorque, pela mão de Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden , estudantes de artes na Universidade de Middletown.

Começaram a  carreira pelo nome de  “Management” e da forma mais humilde possível. Sintetizadores, vozes pré gravadas e uma atitude algures entre a performance artística e a hostilidade punk da antiga faziam dos seus espectáculos, algo único e digno de se ver.

Universidade terminada, saída do seu primeiro EP em 2005. O electro-rock “Time to Pretend”, lançado pela pequeníssima editora indie “Cantora Records” veio ao Mundo para ser famoso. Com boas críticas (principalmente o single que dava o nome ao álbum) e grandes digressões, o duo americano rapidamente interessou o produtor britânico Steve Lillywhite e a sua equipa, assim como a Columbia Records, que acabou por ganhar esta pequena “disputa” e ficar com os MGMT.

2007 é o ano em que a banda assina com outro produtor e grava o fantástico “Oracular Spectacular” que é, de longe, o álbum mais musical do duo vendendo mais de 500,000 cópias nos EUA e chegando a platina na Austrália, Inglaterra e Irlanda.

O single “Kids” marca o ano de 2008 com o seu espectacular videoclip.

Os MGMT vêm a sua agenda recheada de concertos e digressões, o que os manteve bastante ocupados para se preocuparem com novos trabalhos discográficos... até 2010, em que é lançado “Congratulations”, o mais recente registo discográfico do grupo.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Charles Chaplin

 Filme "Luzes da Cidade" na Máquina do Tempo

Link da imagem

O Amor é cego
O amor é cego, não escolhe idade nem classe social. Não é interesseiro, é invisível e arde sem se ver, como tão bem demonstra Charles Chaplin no filme "Luzes da Cidade", de 1931. A película rodada em época de eclosão dos filmes sonoros é centrada numa história de amor simples, inocente, muda, mas que dá muito que pensar. 
Por Irene Leite 
Antes de mais, destaque para o olhar encantador que Chaplin impregna em cada cena do filme. É a filosofia do Carpe Diem, de viver e desfrutar cada momento, normalmente associado a aventuras deliciosamente caricatas. 
Em "Luzes da Cidade" assistimos à história de amor entre uma jovem cega e um vagabundo. O encontro entre os dois decorre de uma forma espontânea, na rua. O jovem fica logo interessado. Ao longo do seu percurso (sempre colorido na atitude) encontra um milionário excêntrico a tentar suicidar-se. Chaplin com a sua alegria habitual incentivou…

The Vaccines gravam novo álbum em Março

O próximo trabalho dos The Vaccines será gravado em Março e conta com a produção de Ethan Johns (Ryan Adams, Kings of Leon).


Justin Young , vocalista do grupo, avançou ao NME que o álbum será lançado ainda este ano.


Até lá...