Avançar para o conteúdo principal

MGMT na Dança do Som



Cabelos desgrenhados,  mal cortados, nada penteados. Olhares inocentes que no fundo nos tentam transmitir uma mensagem de maturidade única. Melodias enfeitiçadas e videoclips cheios de saltinhos. Simplicidade na forma de vestir e cor. Muita cor. Já sabe de quem falo? Não? Fique por aí então.

Por  Ana Luísa Silva 
Originalmente publicado a 17 de Dezembro de 2010

Nasceram em 2002 e puseram o Mundo inteiro a seus pés. Cozinham uma variedade de estilos musicais únicos que só os mais corajosos se atrevem. Se pensarmos numa mistura entre proto-electro punk, pop-friendly, rock psicadélico e muitos unicórnios temos o cocktail único que se dá pelo nome de MGMT.

Surgiram em Brooklyn, Nova Iorque, pela mão de Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden , estudantes de artes na Universidade de Middletown.

Começaram a  carreira pelo nome de  “Management” e da forma mais humilde possível. Sintetizadores, vozes pré gravadas e uma atitude algures entre a performance artística e a hostilidade punk da antiga faziam dos seus espectáculos, algo único e digno de se ver.

Universidade terminada, saída do seu primeiro EP em 2005. O electro-rock “Time to Pretend”, lançado pela pequeníssima editora indie “Cantora Records” veio ao Mundo para ser famoso. Com boas críticas (principalmente o single que dava o nome ao álbum) e grandes digressões, o duo americano rapidamente interessou o produtor britânico Steve Lillywhite e a sua equipa, assim como a Columbia Records, que acabou por ganhar esta pequena “disputa” e ficar com os MGMT.

2007 é o ano em que a banda assina com outro produtor e grava o fantástico “Oracular Spectacular” que é, de longe, o álbum mais musical do duo vendendo mais de 500,000 cópias nos EUA e chegando a platina na Austrália, Inglaterra e Irlanda.

O single “Kids” marca o ano de 2008 com o seu espectacular videoclip.

Os MGMT vêm a sua agenda recheada de concertos e digressões, o que os manteve bastante ocupados para se preocuparem com novos trabalhos discográficos... até 2010, em que é lançado “Congratulations”, o mais recente registo discográfico do grupo.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …