Avançar para o conteúdo principal

Queen em modo Rock





Falar de  Queen é falar de uma das bandas mais respeitadas no mundo do Rock. Graças à sua mistura única entre as fantásticas apresentações ao vivo e o dinamismo e carisma de Freddie Mercury , os homens de "Bohemian Rhapsody" tornaram-se lendas da indústria da música.

Por Adriano Marques 


O grupo de quatro membros formado em Londres, Inglaterra, por Freddie Mercury (voz), Brian May (guitarra), Roger Taylor (bateria) e John Deacon (baixo) teve pouco sucesso com os seus dois primeiros álbuns auto-intitulados de “Queen” e “Queen II”, mas em 1974 depois de lançar “Sheer Heart Attack”, e o famoso “A Night at the Opera”, a fama não chegou a tardar.


Foram graças a músicas como "Killer Queen", "Now I'm Here","In the Lap of the Gods", "Love of my Life" e "Bohemian Rhapsody" que fizeram a grande diferença. A partir daí ficaram conhecidos por mostrar uma enorme preocupação em manter as magníficas produções dos seus concertos e videoclipes das suas músicas.


Em 1976, o álbum seguinte, “A Day at the Races” mostra mais a guitarra de Brian May e a bateria de Roger Taylor, tendo canções ligeiramente mais pesadas, como por exemplo “Tie Your Mother Down” e “White Man”,embora tenha saído algo genial para a voz de Freddie Mercury como “Somebody to Love”.

Mais tarde com as músicas “We Will Rock You” e “We Are the Champions”, do álbum “News of The World” em 1977, os Queen começaram a criar uma relação diferente com o seu público. E um grande exemplo disso, é a presença deles em Wembley (1986), considerada pela crítica como os melhores espectáculos de rock de todos os tempos.



Entre 1970 e 1997, a banda britânica lançou um total de quinze álbuns de estúdio e já venderam mais de 300 milhões de cópias pelo mundo inteiro.


A morte de Freddie Mercury


Em 1991 começaram a surgir rumores de que Freddie Mercury tinha SIDA. Mercury negou e perante a sua doença decidiu com o grupo gravar o álbum “Innuendo” apresentando assim: “The Show Must Go On” e “These Are The Days Of Our Lives”. 


A 23 de Novembro de 1991 o vocalista dos Queen arranjou coragem para assumir a doença a público, e depois ao fim, das 12 horas da divulgação pública Mercury morre vítima de umabroncopneumonia aos 45 anos de idade.Freedie Mercury é considerado pelos críticos e por diversas votações populares, um dos melhores cantores de todos os tempos, e uma das vozes mais conhecidas do mundo. E recentemente, Queen foram eleitos pela BBC como a melhor banda britânica de todos os tempos, superando mesmo os Beatles e os Rolling Stones.


E por agora, uma das músicas mais admiradas pelos fãs e críticos de Queen:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Charles Chaplin

 Filme "Luzes da Cidade" na Máquina do Tempo

Link da imagem

O Amor é cego
O amor é cego, não escolhe idade nem classe social. Não é interesseiro, é invisível e arde sem se ver, como tão bem demonstra Charles Chaplin no filme "Luzes da Cidade", de 1931. A película rodada em época de eclosão dos filmes sonoros é centrada numa história de amor simples, inocente, muda, mas que dá muito que pensar. 
Por Irene Leite 
Antes de mais, destaque para o olhar encantador que Chaplin impregna em cada cena do filme. É a filosofia do Carpe Diem, de viver e desfrutar cada momento, normalmente associado a aventuras deliciosamente caricatas. 
Em "Luzes da Cidade" assistimos à história de amor entre uma jovem cega e um vagabundo. O encontro entre os dois decorre de uma forma espontânea, na rua. O jovem fica logo interessado. Ao longo do seu percurso (sempre colorido na atitude) encontra um milionário excêntrico a tentar suicidar-se. Chaplin com a sua alegria habitual incentivou…

The Vaccines gravam novo álbum em Março

O próximo trabalho dos The Vaccines será gravado em Março e conta com a produção de Ethan Johns (Ryan Adams, Kings of Leon).


Justin Young , vocalista do grupo, avançou ao NME que o álbum será lançado ainda este ano.


Até lá...