Avançar para o conteúdo principal

Filme "The Doors" na Máquina do Tempo




The Doors é um filme de Oliver Stone (Platoon, JFK) sobre a famosa banda de Los Angeles, embora o foco se mantenha essencialmente sobre o vocalista e figura icónica da banda, Jim Morrison, aqui interpretado por Val Kilmer. Um olhar sobre o filme do grupo que agitou o final dos anos 60, aqui na Máquina do Tempo.

Por Miguel Ribeiro

Com um excelente elenco secundário,  composto por actores como Kyle MacLachlan (Ray Manzarek), Meg Ryan (Pamela Courson) e Kathleen Quinlan (Patricia Kennealy) «, a verdade é que o foco mantém-se sempre sobre Kilmer , que consegue uma interpretação fantástica como Jim Morrison, levando-nos a crer que é o próprio que se encontra ali, o que ajuda o espectador a entrar neste mundo que parece ser o sonho molhado de qualquer estrela de rock: uma roda viva de sexo e drogas com umas quantas pitadas de álcool e um ego maior que a vida; a crermos que o que se depicta no filme passou-se exactamente como o vemos, leva-nos a pensar que Morrison era realmente um Deus, apenas não tinha uma consciência a acompanhá-lo, mas sim um talento inegável.

 A estória em si é fácil de seguir: vemos o ínicio da banda, a criação das músicas, Morrison a conhecer Pam, a “viagem” ao deserto onde o grupo estabelece uma ligação e objectivo para eles próprios, os primeiros espectáculos e a ascensão do grupo à fama, sendo a partir deste ponto que a obra se foca ainda mais em Jim e acompanhamos a sua descida ao inferno, o seu, pelo menos. 

Stone foca ao longo do filme a ligação e fascínio que Morrison parecia ter com a morte, aparentemente para ele a última “trip”, a última viagem ou experiência que lhe interessa, isto com cenas construidas através de uma montagem psicadélica de forma a nos transportar para aquele tempo e espaço dos finais dos anos 60, com aparições ao longo do filme de um “xamã” simbolo do seu fim declarado, do seu destino e que vemos no início quando aparece em criança a viajar com a família e também na cena final, antes de Pam o descobrir morto na banheira. 

 Stone tem em atenção esta ligação para a montagem do filme, é aliás, o fio que de alguma forma liga a atitude de Jim para com a sua vida e os outros e que vai aparecendo cada vez mais frequentemente, principalmente quando nos aproximamos da última hora do filme, altura em que a obra cada vez se torna mais alucinante e agressiva e há que admitir, consegue com muito sucesso transmitir uma sensação de montanha russa, de que nos encontramos tão intoxicados e alcoolizados como ele, muito por culpa da câmara, quase sempre à mão quando acompanhamos Jim pelas festas e concertos e sempre em movimento, como se a própria câmara também estivesse intoxicada. De referir que a fotografia está excelente para o que é pretendido, sendo de assinalar a recriação dos concertos, tanto nos pequenos bares, como a dos espectáculos nos grandes palcos, assim como a cenografia e o guarda-roupa que realmente nos remete para aquela época; a banda-sonora dos próprios está também excelente, como seria de esperar,  ainda com a inclusão de duas músicas dos The Velvet Underground.

Neste mês em que relembramos os The Doors, esta obra enquadra-se muito bem, e embora seja simplesmente uma peça de ficção com alguns ajustes aos factos para efeitos de dramatização, consegue com sucesso dar-nos uma visão sobre o que terá sido a vida de Jim Morrison, mas não consegue trazer justiça à banda em si; com efeito o filme não deveria ter o título The Doors mas sim o nome do icónico vocalista, visto que se centra sobre ele e não na música do grupo.

 Por último, é importante referir que o resto do grupo não gostou muito da forma como o filme se centrou em Morrison, criticando a própria abordagem que Stone teve quanto à depicção do vocalista, com o teclista Ray Manzarek afirmando que se centraram muito num Jim acompanhado sempre por uma garrafa de alcóol e não na sua poesia e pessoa. Aparte isto, é uma boa obra para os fãs e dá sempre vontade de pôr um álbum dos The Doors a rodar logo a seguir ao final do filme. Longa vida aos Riders on the Storm.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …