Avançar para o conteúdo principal

The Doors no Video do Mês





Link da imagem 


Riders on the Storm foi a última música que Jim Morrison, ao lado dos The Doors, gravou em estúdio. Foi lançada como single poucas semanas antes da sua partida para França e da sua trágica e nebulosa morte com apenas 27 anos, a 3 de Julho de 1971. Acompanhe-nos nesta fantástica e derradeira “road song” da vida do mítico Jim Morrison.


Por Susana Terra 

Podemos encontrar o tema Riders on the Storm no álbum LA Woman, editado em inícios de 1971. Este sexto e último álbum da formação original dos The Doors, marca uma transição para sonoridades a tender para o blues, numa fase marcada pelos conflitos no seio do grupo e pela deslizante metamorfose de Morrison: a longa barba, o acumular de excessos ou a rejeição do seu estatuto de sex-symbol.

São sons de marca desta música a crepitante chuva que se faz acompanhar de ribombantes trovões e o intemporal som do piano eléctrico de Ray Manzarek, um Fender Rhodes, que imita na perfeição essa sonoridade tão característica da chuva a cair.

Riders on the Storm conta-nos estórias de solidão, de assassinos na estrada, do amor que nos torna imortais. Porventura inspirada nas longas viagens que Morrison fez ao longo da sua vida, dos devaneios que ocupavam a sua mente nas intermináveis horas na estrada e dos incautos sujeitos com que se cruzou por esses caminhos.

Visualmente, Riders on the Storm mostra-nos Homem e máquina, unos e indivisíveis, errantes sobre o asfalto do deserto californiano; não importará o destino, mas sim a viagem em si mesma. E a viagem não será somente uma jornada estrada fora, mas em simultâneo uma “trip” interior de autoconhecimento. A América profunda, povoada de gentes intolerantes, conservadoras e boçais a par da nova América, a jovem América dos idealistas e dos artistas, dos beatnicks e dos hippies.

Longo foi o caminho trilhado por Morrison, que hoje deambulará por outras estradas, na memória de cada um de nós. Ficará em aberto a questão "what's your road, man? - holyboy road, madman road, rainbow road, guppy road, any road. It's an anywhere road for anybody anyhow." (Jack Kerouac, On the Road).

E fica o convite feito para esta viagem…



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …