Avançar para o conteúdo principal

Marilyn Monroe na Máquina do Tempo






Por Rato Cinéfilo 

Nascida a 1 de Junho de 1926, em Los Angeles, California, EUA
Falecida a 5 de Agosto de 1962, em Los Angeles, California, EUA


«Morreu a mulher mais bela do mundo / Tão bela que não só era assim bela / como mais que chamar-lhe marilyn / devíamos mas era reservar apenas para ela / o seco sóbrio simples nome de mulher / em vez de marilyn dizer mulher».

Assim começa o belíssimo poema de Ruy Belo chamado "Na Morte de Marilyn", já aqui divulgado na íntegra; «em vez de marilyn dizer mulher» ou em vez de marilyn dizer bela («não havia no mundo uma mulher mais bela»). Não havia, não houve e talvez não haja nunca mais. Pelo menos, assim. Marilyn foi a voz e o corpo acesos por vários (Wilder, Cukor, Hawks, Hathaway, Logan - grandes, médios e pequenos faróis) e simultâneamente o corpo e a voz que ela acendeu. Bastava que surgisse para tudo ser luz: uns perceberam-no e quedaram-se maravilhados; outros, não sei se o perceberam, mas a maravilha acontecia igualmente.


Depois há o medo. Quantas vezes Marilyn no-lo mostrou, quantas vezes aludiu a ele? No diário das filmagens do "Let’s Make Love" escrevia: «De que é que eu tenho medo? Porque é que tenho tanto medo? Porque penso que não sei representar? Sei que sei representar, mas tenho medo. Tenho medo e sei que não devo ter, e não quero ter. Mas tenho». Nunca nenhuma actriz nos deu tanto essa sensação de medo, como se de cada vez que aparecesse, de cada vez que nos dava a sua imagem (fotografia, filmes) soubesse que corria um risco de morte, «la mort au travail».


É fácil ser adivinho de coisas que já aconteceram. Quando hoje vemos os filmes de Marilyn, faz parte de nós o saber que essa mulher morreu com 36 anos. Mas julgo que não é só isso. Puxando pela memória, essa imagem da morte já a acompanhava. Há gente assim, os «seres que não são deste mundo» de que falava José Régio. Olhamos para eles como numa passagem de nível sem guarda, sabendo que faltam poucos minutos para o comboio passar e que (como nos pesadelos) não podemos gritar-lhes que se afastem. O comboio já vem aí e todo o tempo que os olhamos é o tempo da morte a vir. Dos filmes cómicos às comédias, dos musicais aos westerns, da alta comédia ao drama, cada plano de Marilyn nos fala da morte, nos dá a ver a morte.


Há muitas histórias de criança: aos dois anos, teve de ser hospitalizada depois de uma tareia monstra de uma vizinha; aos seis, foi violada por um «amigo da família». Aos nove anos, teria querido suicidar-se. E duas semanas depois de fazer os 16 anos liberta-se do seu estatuto jurídico de “órfã” ao casar com um amigo, James Dougherty. Divorcia-se em 1946, altura em que os estúdios da FOX reparam numas fotografias tiradas ainda em solteira e a contratam, como a milhares de outras, pagando-lhe 125 dólares por semana. Foi então que Norma Jean se passou a chamar Marilyn Monroe.


Tomou mais a sério a carreira que tantas outras. Matriculou-se no "The Actor’s Lab" em Hollywood e lia Tolstoi, Emerson, Whitman, Rilke. Em 48, Tom Kelley fotografou-a nua para o depois celebérrimo calendário (quando, já famosa, lhe perguntaram como tinha ousado, respondeu simplesmente: «tinha fome»). Em 1950 começou a ser notada em pequenos papéis nos filmes "Asphalt Jungle / Quando a Cidade Dorme", de John Huston, e "All About Eve / Eva", de Joseph Mankiewicz. Daí surgiu a grande oportunidade para ser dirigida por Howard Hawks em "Monkey Business / A Culpa foi do Macaco" (1952), de onde saltou para protagonizar "Niagara" (1953) que a lançou como «star». 





No mesmo ano "Gentlemen Prefer Blondes / Os Homens Preferem as Louras ", de novo com Hawks e esmagando Jane Russell (a «morena» do filme). "How to Marry a Millionaire / Como se Conquista um Milionário", ainda de 53, dá já a Marilyn o primeiro papel do «cast», sobre Betty Grable e Lauren Bacall. Era a maior descoberta do ano. Era a maior vedeta da FOX. Tinha 27 anos.







 O filme seguinte, "River Of No Return / Rio Sem Regresso" em que canta o «One Silver Dollar» e o «I Gotta File My Claim», era a consagração mundial e a ascenção ao «top».






Mas as mulheres como Marilyn não ficam por aí. Continuou a estudar cada vez mais intensamente ("Actor’s Studio"), enquanto casava com a mais célebre estrela do baseball americano: Joe Di Maggio. O casamento durou um ano, mas até ao fim a relação de Marilyn e Joe foi muito mais do que a publicidade deu a supor quando anunciou o enlace da «loira explosiva» com o basebolista. «Thank God, for Joe, Thank God» escreveu ela pouco antes de morrer.

"There’s No Business Like Show Business / Parada de Estrelas" é, para muitos, o fim da primeira Marilyn. A segunda - a grande actriz - surgiria em 1955 em "The Seven Year Itch / O Pecado Mora ao Lado". "Bus Stop / Paragem de Autocarro" (1956) é um êxito apoteótico. E, no mesmo ano, Marilyn casava de novo, desta vez com um dos mais famosos dramaturgos e intelectuais da América, Arthur Miller.

De novo Wilder e "Some Like It Hot / Quanto Mais Quente Melhor" (1959), outro dos seus filmes geniais. Há aquela sequência em que, convencida que Tony Curtis é milionário e frígido, ela tenta conquistá-lo e vai-o beijando. Diz-se que a cena foi repetida 47 vezes e que Tony Curtis teria dito que beijar Marilyn era como beijar Hitler. Mas, de cada vez que vemos essa cena, é impossível resistir. Quando pergunta pelo «bourbon», sentimos que é de mais. Nenhuma frigidez, verídica ou simulada, podia resistir.


Cukor dirigiu-a em 60 em "Let’s Make Love / Vamo-nos Amar", que teria dado lugar ao divórcio com Miller e a um falado romance com Yves Montand.



A par com os dois Wilder é o mais genial - e eu diria o mais tragicamente belo - dos filmes de Marilyn. Quando nos surge no negro a cantar «My Heart Belongs To Daddy» já a alma tinha tomado conta do corpo. 





Depois, em 61, Huston e "The Misfits / Os Inadaptados", ao lado de Gable e Montgomery Clift, no filme famoso pela maldição. É o seu grande papel dramático, aquele pelo qual teria esperado toda a vida. Ainda filmou algumas sequências de "Something’s Got To Give" de Cukor, em que contracenaria com Dean Martin e Cyd Charisse. Mas já a crise tomava conta dela por todos os lados. Faltava, chegava tarde, e o estúdio suspendeu-a.


Foram objecto de muita especulação as supostas ligações que manteve com o presidente John F. Kennedy (a quem cantou publicamente os parabéns em Madison Square Garden, no dia 29 de Maio de 62, altura do 45º aniversário de Kennedy) e o seu irmão, Bob Kennedy. A versão "oficial" da sua morte foi o suicídio com uma dose excessiva de comprimidos para dormir; mas até hoje persistem dúvidas sobre o que realmente aconteceu naquela madrugada trágica.

Voltando a citar Ruy Belo: «Toda a mulher que era se sentiu toda sózinha / julgou que a não amavam todo o tempo como que parou / quis ser até ao fim coisa que mexe coisa viva / um segundo bastou foi só estender a mão / e então o tempo sim, foi coisa que passou». Para ela. Não para nós, para quem continua a «exibir vida» (e morte) mesmo quando e mesmo depois de a suprimir e de a assumir.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …