Avançar para o conteúdo principal

Editorial Julho


 Link da imagem 

Por Irene Leite 

Morrison é uma das figuras mais emblemáticas da história do rock. O seu comportamento transgressor, o seu talento, a sua audácia, garantem a imortalidade do "Rei Lagarto". Deixou-nos ainda muito jovem, com 27 anos (aliás, tal como  Janis Joplin e Jimi Hendrix), mas com grandes êxitos na bagagem. 

O álbum LA Woman, que completa este ano os maduros 40 anos é disso exemplo. Temas como LA Woman (uma descarada suplica carnal), Love her madly, ou Riders on the storm evidenciam toda a profundidade , e ao mesmo tempo energia de Morrison  e companhia.

Mas as surpresas não terminam por aqui. Com um maior enfoque noticioso e agenda semanal , o Som à letra reforça em Julho o seu trabalho e rotina enquanto media digital. Rubricas como Dá que pensar (pensamentos, poemas, de  grandes nomes da literatura , filósofos e novos talentos) , Sound and Vision (divulgação de novos talentos internautas), Som ao Vivo (criticas a concertos, repescagem de espectáculos específicos de bandas da actualidade e não só...) vão ter cada vez mais protagonismo na nossa agenda. Podemos contar ainda com a estreia do baú cinéfilo, onde colocamos em destaque posters de filmes mais antigos, e  uma maior variedade de  artigos. 


As nossas rubricas  vão passar a um regime de "duas em duas semanas", isto para permitir maior investigação jornalística , e artigos mais profundos no que diz respeito aos ângulos de abordagem para os nossos leitores. 


Elvis Presley (com o memorável hino "Viva las Vegas"), Marylin Monroe, Beatles também são recordados nesta edição, nunca esquecendo talentos emergentes como Coldfinger.


O regresso (e que regresso) de Peter Murphy não é esquecido, assim como o dos Cars. As apostas do Top à Letra para Julho estão em Foster The People (brevemente em Paredes de Coura), Friendly Fires (brevemente no Optimus Alive) e Arcade Fire (brevemente no Super Bock super Rock) . Contamos com as vossas votações e sugestões.


Quanto ao nosso site, continua em marcha e brevemente partilhamos convosco os progressos.


Já sabem, para "ouver e participar", sempre.
Cartas do leitor para somaletra@gmail.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Charles Chaplin

 Filme "Luzes da Cidade" na Máquina do Tempo

Link da imagem

O Amor é cego
O amor é cego, não escolhe idade nem classe social. Não é interesseiro, é invisível e arde sem se ver, como tão bem demonstra Charles Chaplin no filme "Luzes da Cidade", de 1931. A película rodada em época de eclosão dos filmes sonoros é centrada numa história de amor simples, inocente, muda, mas que dá muito que pensar. 
Por Irene Leite 
Antes de mais, destaque para o olhar encantador que Chaplin impregna em cada cena do filme. É a filosofia do Carpe Diem, de viver e desfrutar cada momento, normalmente associado a aventuras deliciosamente caricatas. 
Em "Luzes da Cidade" assistimos à história de amor entre uma jovem cega e um vagabundo. O encontro entre os dois decorre de uma forma espontânea, na rua. O jovem fica logo interessado. Ao longo do seu percurso (sempre colorido na atitude) encontra um milionário excêntrico a tentar suicidar-se. Chaplin com a sua alegria habitual incentivou…

The Vaccines gravam novo álbum em Março

O próximo trabalho dos The Vaccines será gravado em Março e conta com a produção de Ethan Johns (Ryan Adams, Kings of Leon).


Justin Young , vocalista do grupo, avançou ao NME que o álbum será lançado ainda este ano.


Até lá...