Avançar para o conteúdo principal

Editorial Julho


 Link da imagem 

Por Irene Leite 

Morrison é uma das figuras mais emblemáticas da história do rock. O seu comportamento transgressor, o seu talento, a sua audácia, garantem a imortalidade do "Rei Lagarto". Deixou-nos ainda muito jovem, com 27 anos (aliás, tal como  Janis Joplin e Jimi Hendrix), mas com grandes êxitos na bagagem. 

O álbum LA Woman, que completa este ano os maduros 40 anos é disso exemplo. Temas como LA Woman (uma descarada suplica carnal), Love her madly, ou Riders on the storm evidenciam toda a profundidade , e ao mesmo tempo energia de Morrison  e companhia.

Mas as surpresas não terminam por aqui. Com um maior enfoque noticioso e agenda semanal , o Som à letra reforça em Julho o seu trabalho e rotina enquanto media digital. Rubricas como Dá que pensar (pensamentos, poemas, de  grandes nomes da literatura , filósofos e novos talentos) , Sound and Vision (divulgação de novos talentos internautas), Som ao Vivo (criticas a concertos, repescagem de espectáculos específicos de bandas da actualidade e não só...) vão ter cada vez mais protagonismo na nossa agenda. Podemos contar ainda com a estreia do baú cinéfilo, onde colocamos em destaque posters de filmes mais antigos, e  uma maior variedade de  artigos. 


As nossas rubricas  vão passar a um regime de "duas em duas semanas", isto para permitir maior investigação jornalística , e artigos mais profundos no que diz respeito aos ângulos de abordagem para os nossos leitores. 


Elvis Presley (com o memorável hino "Viva las Vegas"), Marylin Monroe, Beatles também são recordados nesta edição, nunca esquecendo talentos emergentes como Coldfinger.


O regresso (e que regresso) de Peter Murphy não é esquecido, assim como o dos Cars. As apostas do Top à Letra para Julho estão em Foster The People (brevemente em Paredes de Coura), Friendly Fires (brevemente no Optimus Alive) e Arcade Fire (brevemente no Super Bock super Rock) . Contamos com as vossas votações e sugestões.


Quanto ao nosso site, continua em marcha e brevemente partilhamos convosco os progressos.


Já sabem, para "ouver e participar", sempre.
Cartas do leitor para somaletra@gmail.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …