Avançar para o conteúdo principal

Coldfinger no Inovaluso




Na viragem para este milénio surgiu em Portugal um projecto musical inovador e que atesta a qualidade da música produzida em terras lusas. Margarida Pinto e Miguel Cardona são os mentores dos Coldfinger.

Por Susana Terra 

Em 1999 Margarida Pinto (voz) e Miguel Cardona (guitarra) fundam os Coldfinger.  A este núcleo duro ocupado com a composição, escrita e produção dos temas juntaram-se António Lopes (baixo), Nuno Pessoa (bateria) e Ruca (programação e synths).

 Ao longo dos tempos, diversos amigos e outros músicos contribuíram para a formação da “alma” dos Coldfinger. Pedro Gonçalves (baixo/contrabaixo), Sérgio Nascimento (bateria), João Cardoso (teclas), Sara (segunda voz), DJ Cruzfader e DJ Ride (scratch) são alguns dos nomes de músicos que colaboram regularmente com o grupo, seja em concerto, seja na gravação de novos materiais.

A doce voz de Margarida é perfeita para a electrónica sofisticada dos Coldfinger, a beat mais groovy ou o cheirinho a hip-hop conferem uma singular sonoridade ao projecto. Se pudéssemos “encaixar” a variedade sonora dos Coldfinger dentro de um estilo musical, talvez optássemos pelo trip-hop, pese embora o facto deste grupo ir mais além, reinventar sonoridades e criar ambientes tão diversos como os que podemos escutar em canções como “Easy M Rework” (a puxar um ritmo latino digno de cabaré) ou “Cover Sleeve” (e o sentimento de deslizante melancolia).



Os Coldfinger editaram, até ao momento, seis álbuns: “ep, 01” (1999), “Lefthand” (2000), “Return to Lefthand (2001), “Sweet Moods and Interludes” (2002), “Supafacial” (2007), sendo que este disco surge após um período de interregno de cinco anos, ao longo dos quais Margarida explorou uma carreira a solo. Finalmente, o álbum “Colfinger & Friends”, recentemente lançado, traz-nos uma prestação dos temas mais célebres dos Coldfinger ao vivo. 

“Coldfinger & Friends” é um disco nascido a partir de um concerto gravado no Music Box, em Dezembro de 2008 e que juntou todos os “amigos” que colaboraram com o grupo ao longo destes anos. Um disco memorável e disponível para download gratuito em http://optimusdiscos.com/discos/coldfinger-friends.

A não perder este regresso de um dos mais vanguardistas e reconhecidos projectos nacionais independentes!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …