Avançar para o conteúdo principal

Tom Waits em modo Blues



Dono de uma voz inconfundível, Tom Waits é uma figura incontornável no universo musical das últimas quatro décadas. Enfant terrible, artista multifacetado, cínico optimista ou cantor amargurado…de um qualquer bar escuro e fumarento para o Som à Letra.
Por Susana Terra

Conta já com 62 anos e é um dos últimos artistas beatnick da música. Cedo deixou que a onda beat o contagiasse e trocou o conforto de uma vida de classe média pela boémia, pela estrada, noites passadas no carro e em hotéis duvidosos. Kerouac e Bukowski são assumidamente a sua maior influência literária, influência essa vertida nas suas composições que oscilam entre o blues, o jazz, o rock, o experimentalismo ou até a vaudeville, num estilo idiossincrático sem paralelo.

As lides musicais de Tom Waits prematuramente foram iniciadas: autodidacta na aprendizagem do piano aos 10 anos e membro de uma banda no liceu, passou longas horas junto de clubes nocturnos para poder actuar. Aos 21 anos assinou com Herb Cohen, embora as músicas produzidas nesse período apenas vissem a luz do dia 20 anos mais tarde. Será em 1973 que ocorre o lançamento do seu primeiro álbum – “Closing Time” – pela Asylum Records. Contudo, o reconhecimento surgiria sobretudo a partir dos anos 80, quando surgem covers das suas canções feitas por artistas reconhecidos (Tim Buckley, Bruce Springsteen, Eagles, etc.).

Mais adorado no Reino Unido do que nos EUA; a conquista do novo continente foi feita através do cinema. A manifesta teatralidade de Waits levou-o a enveredar numa carreira paralela e bem sucedida no cinema, seja como actor, escritor de guiões ou produtor de bandas sonoras. Entrou em películas como “Down by the Law” (1986), “Drácula de Bram Stocker” (1992), “Café e Cigarros” (2003), “O Imaginário do Doutor Parnassus” (2009), entre muitos outros. Ao cinema soma-se o teatro, a poesia e a constante necessidade de Waits recorrer a diversas modalidades de arte para expressar o seu génio.

Tom Waits tem aproximadamente 30 discos editados (incluindo colectâneas e actuações ao vivo), para além de ainda manter uma intensa actividade de cinema. “Bad as Me” ou “The Piano has been Drinking” são imagens de marca de Waits..

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …