Avançar para o conteúdo principal

Espaço Rock em Portugal

 Entrevista com João Moutinho

João Moutinho nasceu em Lisboa, em 1949, mas tem raízes em Mata de Lobos (Figueira de Castelo Rodrigo). Durante mais de 25 anos tocou em grupos de baile e percorreu o país. Em pleno “boom” do Rock português, em 1981, editou o single “A Pastilha”, cujo lado B é “Rockolagem”. Este tema, “Rockolagem”, foca (em três minutos) variados nomes do Rock português dos anos 80. O seu refrão reza assim: “O Rock também é riso, Que faço com muito gozo, Mas não perco é o juízo, Por causa do Rui Veloso”.

Por Aristides Duarte

P: Estreou-se no programa de televisão “Zip Zip” , nos anos 60. Quer contar-nos como surgiu essa oportunidade e se isso se materializou em alguma posterior gravação?

R: História interessante. O meu parceiro do DUO INDEX, Francisco Figueiredo (a pessoa que me iniciou na poesia) conhecia o grande guitarrista Carlos Paredes. Queria ouvir as “baladas” que nós só tínhamos de ouvido no local que ele marcou, o antigo Café Monumental. Seis horas da tarde, café cheio. Resultado: cantámos as canções e o café parou.
No final o Carlos Paredes perguntou-nos se não queríamos ir ao Zip-Zip. Claro que aceitámos. Entrámos numa emissão com Luís Góis e outros em Agosto de 1969.
Entrei no serviço militar nesse ano, estive 9 meses fora de Lisboa, em Instrução Militar. Quando voltei, a hipótese de EP que estava prometida esboroou-se.



P: Tem boas recordações dos anos 80, quando lançou a “ A Pastilha” e o “Rockolagem”?

R: Nem por isso. Fomos enganados pela Editora Gira, que abriu falência selvagem. Nem pagou o estúdio onde fizemos as gravações. A banda dissolveu-se e o projecto gorou-se. Sei que se venderam 15.000 cópias do single. Mas nem um centavo ganhámos. Era a selva completa na altura do “boom” do Rock português.



P: Durante anos tocou em grupos de baile. Pode dizer-nos em que grupos tocou?

R: Vários. Os mais importantes foram o Intento e o Orange.



P: Para além do single “A Pastilha” que outros projectos teve relacionados com o Rock português?

R: Colaborei de perto com o grupo SEILÁSIÉ, como autor de algumas letras.
Mais tarde o Rui Veloso seleccionou uma série de poemas meus mas, que eu tenha conhecimento só musicou a “Homenagem”, poema que dediquei às mães, e que mais tarde foi gravado por Adelaide Ferreira. Curiosamente o Rui enganou-se e deu como autor da letra uma outra pessoa, mas o assunto foi esclarecido. É até provável que ele tenha musicado mais algumas e girem por aí, mas eu não sei de nada.



P: Quer contar-nos algum episódio curioso que aconteceu nas suas “andanças” por esse país fora?

R: Há um episódio deveras curioso. Meu pai é originário de Mata de Lobos, no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo. Soube que nunca tinha havido lá um baile. Levei a banda. Quando nos disseram o local do baile ia “morrendo”. Era a Escola Primária da terra. Imaginem duas salas separadas por um corredor. Colocámos a aparelhagem numa das salas, mas o povo era tanto que encheu as duas salas. Creio que na segunda apenas se ouviam ecos. Mesmo assim não abandonaram a festa toda a noite. Estou a falar de Novembro de 1975.



P: Acha que o Rock português, incluindo todos os estilos, continua a ser uma corrente importante da música portuguesa?

R: O Rock sempre será uma corrente importante, porque inovadora, “revolucionária” em muitos sentidos. Ainda que actualmente a música seja muito dominada por “produtores” que em muitos casos o são só de nome. No entanto, apareceram determinadas tecnologias que permitem ultrapassar alguma “violência” das editoras. Veja-se o caso dos THE GIFT que nasceram na Internet e agora têm uma carreira consolidada.


P: Actualmente está mais ligado à poesia. Mesmo assim, a música continua a ser sua companheira?

R: A música sempre será minha companheira. Aliás, muitas vezes, quando escrevo já há subjacente uma melodia. Estou a pensar regressar com pequenos espectáculos intimistas: “A música da Poesia, a Poesia da Música”. Um músico e uma voz.


P: Tem boas recordações do público do distrito da Guarda e das localidades por onde passou?

R: Recordo-me que no ano de 1976, o Intento, a minha banda de então, começou um mês de Agosto em Malpica do Tejo ( Castelo Branco). Foi subindo por várias localidades e acabou o mês em Seia. O mais curioso de tudo foi o facto de grande parte da assistência desses 21 Concertos/Bailes, ser composta por emigrantes em férias que acompanharam toda a digressão. Perguntavam-nos onde tocávamos no dia seguinte e lá estavam eles a “curtir” o nosso “Rock”. De facto fazíamos muitos “covers” que não eram habituais em grupos de baile.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …