Avançar para o conteúdo principal

Espaço Cine à Letra





Para começar bem este ano haverá melhor coisa do que passar um fantástico serão numa sala de cinema? Bem, até poderá haver, mas com as interessantes estreias que estão a aparecer e que continuarão a surgir até ao fim deste mês, sugerimos que visitem assim que puderem um cinema, pois irá valer mesmo a pena.

Por Miguel Ribeiro 


Tendo em conta os filmes que estão no cinema, existem já excelentes escolhas em exibição. Werner Herzog apresenta A Gruta dos Sonhos Perdidos, um documentário sobre as famosas Grutas Chauvet, onde em 1994 um grupo de cientistas descobriram centenas de pinturas cristalinas datando de mais de 30000 anos, numa era onde os Neanderthal caminhavam na terra e quando ainda existiam mamutes e outros animais da Idade do Gelo; Herzog conseguiu a autorização para filmar e apresenta aqui um documentário espectacular pelo seu vasto interesse arqueológico e pela discussão do nascimento da Arte. Também já presentes nas salas de cinema portuguesas temos A Minha Semana com Marylin, um filme que conta com a actriz Michelle Williams no papel da icónica actriz e que narra a estória aparentemente verídica de um caso amoroso durante uma semana com Colin Clark, um assistente de produção britânico, isto durante as rodagens do filme «The Prince and The Showgirl», um filme de Simon Curtis e que conta ainda com Kenneth Branagh, Emma Watson e Julie Ormond; similarmente já presente nas salas temos a sequela Sherlock Holmes: Jogo de Sombras, mais uma excelente obra extremamente bem realizada de Guy Ritchie e que vale o preço de admissão pela mistura de acção, thriller e comédia em boas doses com as grandes interpretações de Robert Downey Jr., Jude Law como o duo ilustre de Sherlock e Watson e também Jared Harris no papel do ilustre Professor Moriarty.


A aparecer nas salas de cinemas a partir de dia 19 temos várias obras que valem a pena investigar. Baseado num livro homónimo (no que toca ao titulo português) de uma trilogia best-seller de Stieg Larsson David Fincher regressa com Millenium I – Os Homens que Odeiam as Mulheres, uma obra que conta a estória de um jornalista, interpretado por Daniel Craig, que habituado a desvendar casos de corrupção financeira, se vê envolvido com uma jovem hacker a tentar descobrir o paradeiro da sobrinha de um empresário, um thriller muito bem realizado e que devido ao livro original tem um argumento muito inteligente, mas que tem sido alvo de críticas um pouco negativas quando comparado com as obras originais já realizadas na Suécia pelo realizador Niels Arden Oplev, onde de resto já adaptaram toda a trilogia, mas que não vos deve demover de irem ao cinema apreciar este filme. Clint Eastwood volta a realizar outro filme, este agora de nome J.Edgar, sobre o poderoso J.Edgar Hoover, chefe do FBI durante 8 mandatos presidenciais e caracterizado por Leonardo DiCaprio, contando também com actores como Naomi Watts e Dermot Mulroney, numa biografia que mostra como é que Hoover conseguiu permanecer tanto tempo no poder, gerindo segredos atrás de segredos, manipulando tudo e todos e como atingiu o declínio a partir do momento que a sua mãe morreu. 

Tendo como pano de fundo as 24 horas antes da crise económica se acentuar nos E.U.A. o filme Margin Call relata a estória de um banco de investimento e os seus agentes financeiros enquanto lutam contra todas as possibilidades para se salvarem a eles próprios, um filme que deve interessar a todos os preocupados com a crise financeira visto que se baseia numa história verídica e que reúne uma parada de estrelas tais como Demi Moore, Kevin Spacey, Jeremy Irons e Paul Bettany.

Para acabar, mais umas sugestões rápidas para que possam pesar na vossa escolha de filmes: com William Hurt e Isabella Rosselini temos Três vezes 20 anos, uma comédia negra sobre a chegada da velhice e todos os seus problemas, mas que também envereda num registo de comédia romântica no que envolve o casal interpretado pelos dois actores já mencionados, escrito e realizado pela jovem realizadora francesa Julie Gavras; Polissia, uma obra francesa vencedora do Prémio Júri de Cannes, que mostra a estória de uma unidade de polícia francesa no seu dia-a-dia quando aborda casos de abusos sexuais em crianças, violência doméstica com jovens ou do humor corrosivo dos adolescentes quando falam de sexo, isto quando são seguidos por uma repórter que tenta capturar o trabalho desta unidade a mando da Administração Interna francesa; um filme duro, onde podem esperar muita crueza da vida real e algum humor negro, para pessoas que prefiram filmes mais fortes mas merecedor da atenção de qualquer um.

Finalizando, deixamos aqui os links dos trailers de cada um dos filmes mencionados e esperamos que tenham um ano fantástico no que toca a Cinema, no mínimo. Divirtam-se com estas sugestões!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …