Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"





“All You Need Is Now”, um passado bem revisitado

Uma das minhas últimas aquisições em matéria de música foi “All You Need is Now”,  o mais recente álbum de Duran Duran, que embora já tenha sido lançado em formato digital há mais de um ano, apenas teve edição física em Março de 2011. Sem conseguir encontrar este álbum à venda em Portugal, aproveitei a minha ida a Londres em Dezembro passado, tendo-o trazido por 5 libras (cerca de 6 €).


Por Bruno Vieira

Este delay entre o lançamento e a compra do álbum fez com que durante alguns meses apenas tivesse uma vaga ideia da sonoridade de “All You Need Is Now”, quer através do single homónimo quer de “Girl Panic!”. Confesso ter alguma resistência em dedicar-me a qualquer álbum sem o ter fisicamente, e este não foi excepção. Apesar de tudo as minhas expectativas eram elevadas, já que a banda de Simon Le Bon contava desta vez com a colaboração de Mark Ronson, que apesar de jovem é um músico e produtor experiente, com uma habilidade inata para recuperar e trazer sonoridades vintage para a actualidade.
Há já algum tempo que a edição de um álbum da formação de Birmingham se havia tornado num acontecimento que passava quase despercebido, apesar de alguns deles serem trabalhos bastante interessantes como “Red Carpet Massacre”, mas ao mesmo tempo susceptível de confundir os fãs ao enveredar por uma atípica sonoridade R&B. Os próprios Duran Duran confessaram que, influenciados pela editora, terão abandonado material que já tinham gravado por este ser considerado demasiado indie, perdendo-se assim uma excelente oportunidade de fazerem mais cedo uma revisitação dos tempos de “Girls On Film” e “Rio”.

Apesar de “All You Need Is Now” não ter suscitado no meio musical maior interesse que os seus antecessores, quanto a expectativas pessoais a história era outra. Uma audição bastou para perceber que estava perante o melhor álbum de Duran Duran desde “Rio”, se exceptuarmos “Duran Duran (The Wedding Album)” de 1993. As expectativas iniciais, mesmo as mais optimistas, tinhas sido largamente superadas.

A recuperação da melhor tradição “Duranie” não só foi feita, como também bem sucedida. Os teclados, as guitarras, o groove certo, em suma, toda a ambiência dos primeiros álbuns é sentida em “All You Need Is Now”, agora mais depurada, leve e longe de soar datada. Apenas como exemplo, “Being Followed” embora com acordes mais negros remete para “Planet Earth”, já “Girl Panic” traz-nos à memória “Girls On Film” ou “Hold Back the Rain”. “The Man Who Stole a Leopard” é “The Chauffeur” menos denso, enquanto que em “Too Bad You`re So Beautiful” recordamos “Last Chance on the Starway” e “Rio”.


Embora a primeira metade da década de 80 seja indiscutivelmente o período mais marcante na história da banda, não deixa de ser interessante este regresso ao passado volvidos trinta anos. Ao acertar na fórmula exacta, Ronson deu aos Duran Duran o que estes precisavam, apresentando-os actuais sem no entanto perderem identidade. Não estamos perante um álbum pop incaracterístico, nem uma cópia new-wave do início dos Anos 80, muito menos uma colagem ao indie de hoje. Antes, um trabalho bem capaz de agradar tanto à velha guarda como a toda uma nova geração cansada de musica comercial e interessada por sonoridades mais vintage. Recomendado!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …