Avançar para o conteúdo principal

Leonard Cohen em modo Folk




Leonard Cohen é, antes de cantor, um poeta. E isso é visível em “Suzanne”. A voz profunda e carregada de Cohen dá um simbolismo extra a esta música, que é uma das criações do cantor canadiano com mais covers. 

Por Júlia Rocha 

Numa entrevista à BBC, Leonard Cohen declarou que a música é sobre o encontro com Suzanne Verdal, na altura, a mulher de um famoso escultor, Arman Vaillancourt, na cidade de Montreal. Leonard era amigo deste escultor. 

Aliás, muitos dos versos da canção descrevem alguns elementos da cidade, como o rio. Aliás, nesta entrevista, de 1994 diz Cohen: “I knew it was a song about Montreal, it seemed to come out of that landscape that i loved very much in Montreal”. Podemos dizer que a presença feminina ajudou a adornoar a cidade canadiana. 

Suzanne Verdal foi mais tarde entrevistada pela Canadian Broadcasting Company News, em 2006, sobre a música. Declarou nunca ter tido qualquer tipo de relação com Cohen, como a canção parece insinuar: “We were never lovers of the flesh, but on a very deep level we were.”.

 O próprio autor assumiu que nada aconteceu, mas não escondeu o fascínio que sentiu por esta mulher quando a conheceu. 

Suzanne Verdal, diz já se ter encontrado com Leonard Cohen duas vezes após o lançamento e consequente sucesso da música, mas que este não se dirigiu a ela, ou que possivelmente nem sequer a reconheceu.  A letra aparece pela primeira vez no livro “Parasites of Heaven” lançado por Leonard Cohen em 1966.

Para além da versão de Cohen, há muitas versões de “Suzanne”. As mais reconhecidas são de Noel Harrison, Nina Simone, Neil Diamond e até Bruce Springsteen já a terá tocado pelo menos uma vez em concerto. A primeira gravação de “Suzanne” não foi feita por Cohen, mas sim por Judy Collins em 1966. O poeta canadiano viria a lança-la no seu primeiro álbum “Songs of Leonard Cohen”, em 1967.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …