Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"



James em Viseu, Feira de São Mateus, 20/08/2011





Por vezes quando menos esperamos surge uma boa oportunidade de vermos concertos de bandas que gostamos muito, gratuitamente ou a preço de saldo. No passado fim-de-semana aconteceu precisamente isso, depois de uma espera de quase vinte anos finalmente pude ver os James ao vivo em Viseu, integrados no cartaz da Feira de S. Mateus. Esta falha no meu curriculum levou-me algumas vezes a questionar por que razão nunca tinha assistido a um concerto da banda de Tim Booth, mas no último Sábado, isso já era passado.


Por Bruno Vieira 

Se tivesse estado perto de Cascais, onde também actuaram na véspera, provavelmente seria aí a minha estreia, ainda para mais com a vantagem da entrada ser gratuita. Mas os 5€ pagos em Viseu não deixaram de ser uma verdadeira pechincha tendo em conta o preço médio de um normal bilhete de concerto. O único senão é que o tempo não se perspectivava o melhor, com ameaça de chuva e trovoadas. Mas quer a banda quer o público podiam respirar de alívio, a meteorologia mostrou-se amiga ao guardar as suas piores previsões para o dia seguinte. 


O concerto estava a salvo, apesar de terem caído alguns pingos de chuva pouco antes do seu início. O ambiente da feira com todo o colorido conferido pelas roulotes de farturas e churros e a temperatura amena, já para não falar do cartaz atractivo, fizeram o público acorrer em número significativo para ver os James. Tudo estava a postos para o concerto.

Enquanto no palco se faziam as habituais verificações, o público começava a manifestar-se à medida que o tempo passava. Volvidos poucos minutos das dez da noite, não havia ainda sinal da banda. Eis então que começa a ouvir-se a voz de Booth vinda não se sabe bem de onde. O público olhava em todas as direcções antes mesmo de se aperceber que os James tinham encenado uma entrada inesperada em palco, abrindo caminho através do público que mal parecia acreditar no que via. Estava dado o mote para o excelente espectáculo que se adivinhava.

Juntando os inúmeros clássicos aos quase trinta anos de carreira, já se esperava que algumas músicas ficassem fora do concerto que durou duas horas. É certo que gostaria de ter ouvido temas mais antigos como “What For” ou “So Many Ways”. “Born of Frustration” do início dos anos 90s, também ficou fora do alinhamento, bem como “She`s a Star”, “I Known What I`m Here For” ou “Just Like Fred Astaire”, ausências de certa forma desculpáveis para que tem tanto para tocar e cantar. 


Do desfile de clássicos não posso deixar de destacar um “Sit Down” acústico com o público literalmente sentado no chão do recinto, acompanhando Booth também sentado no palco, criando um ambiente bastante intimista, ou “Laid” já em encore a finalizar em apoteose uma noite para mais tarde recordar. Alguns dos presentes tiveram mesmo a sorte de partilharem o palco com a banda de Manchester.

Antes de terminar apenas umas palavras para a atitude demonstrada em palco - simplesmente irrepreensível! Os James tudo fizeram para agradar o público e conseguiram-no. Apesar de bastante populares no nosso país, acredito que no contexto em que o seu concerto se realizou, parte da audiência não os conheça devidamente ou sequer saiba da sua importância enquanto banda estruturante do universo indie. Outrora considerados sucessores dos The Smiths, tiveram um início de carreira interessante, embora discreto, até se darem verdadeiramente a conhecer quando souberam tirar o melhor partido do som de Madchester.


 A década de 90 trouxe a merecida consagração e crescente popularidade, sem que a qualidade do seu trabalho fosse posta em causa. Os últimos anos têm sido pautados por uma maior discrição e algum desinteresse por parte do público. É aí que o vasto repertório entra em cena o que torna apelativo cada concerto da banda. Os James têm perfeita consciência disso e sabem tirar o melhor proveito do activo que possuem. A já longa experiência de estrada conta muito, constituindo uma preciosa mais-valia. O carisma de Tim Both, o carinho da banda pelo nosso país, a simpatia e a entrega fizeram o resto. Foi assim em Viseu no último Sábado. Espero que outras noites como esta se repitam…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …