Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"



Ultravox


Link da imagem


Electropop vs Electrorock 


No início dos anos 80 dois álbuns distinguiram-se no panorama musical da New Wave,  sendo ambos considerados obras de referência daquele período. E porquê? Estado a sonoridade pop/rock claramente sujeita à ditadura dos sintetizadores, “Dare!“ dos The Human League era o melhor exemplo da electrónica a dar forma à música pop, enquanto “Vienna“ dos Ultravox, o mesmo conceito,  mas em formado rock.

Por  Bruno Vieira
Originalmente publicado a  11 de Novembro de 2010

“Vienna“ de 1980 era o quarto disco dos Ultravox e o primeiro da era Midge Ure, enquanto que “Dare!“ era o terceiro dos The Human League e o primeiro em que participam Susanne Sulley e Joanne Catherall. Estes dois aspectos podem ter passado despercebidos à maioria das pessoas, mas acabariam por ser determinantes para o futuro das bandas, na medida em que foram os primeiros a conhecer um assinalável sucesso comercial e pelos quais os Ultravox e os The Human League são hoje conhecidos.

É claro que para um seguidor dos Ultravox da era John Foxx esta não é uma verdade muito conveniente, mas factos são factos, e a realidade é que os Ulltravox só ficariam verdadeiramente conhecidos do grande público com a entrada de Midge Ure. Quanto aos The Human League a questão é mais pacífica na medida em que Philip Oakey foi desde o início, em 1977, vocalista da banda.

Como já referi, as raparigas entraram a tempo de ser editado a obra-prima que foi “Dare!“. Até aqui a banda tinha tido apenas um relativo sucesso com o single “Empire State Human“ do álbum “Reproduction“ de 1979, e pouco mais. Embora o sucesso dos The Human League não se deva única e exclusivamente à entrada de Susanne e Joanne, a sua chegada acabaria por marcar a imagem do grupo, com as vozes femininas a adquirirem grande protagonismo.

Para melhor medir o sucesso de “Dare!“ e “Vienna“ teremos de recorrer à tabela de vendas britânica. Mais como termo de comparação do que como objectivo de eleger o melhor álbum, os números são os seguintes:

THE HUMAN LEAGUE 

ÁLBUM – Posição mais elevada (total de semanas)

DARE! – 1º (72) 


Singles – Posição mais elevada (total de semanas) 


The Sound of the Crowd – 12º (10) 
Love Action (I Believe In Love) – 3º (13) 
Open Your Heart – 6º (9) Don`t You Want Me – 1º (13) 


ULTRAVOX


ÁLBUM – Posição mais elevada (total de semanas) 


VIENNA – 3º (72)


Singles – Posição mais elevada (total de semanas)


Sleepwalk – 29º (11) 
Passing Strangers – 57º (4) 
Vienna – 2º (14) 
All Stood Still – 8º (10)

E agora, uma pequena viagem aos oitentas:




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …