Avançar para o conteúdo principal

Pulp no Vídeo do Mês







Link da imagem 



Aqueles de que vos vou falar já existem há mais de 30 anos. E não! Não vos falo dos Xutos e Pontapés. Não vos falo dos Rolling Stones. Nem tão pouco do José Cid. Para vos ajudar, levanto o véu e digo com toda a certeza que estiveram eles estiveram por cá no Festival Paredes de Coura. Sim, são eles os The Pulp, liderados pelo mítico e tresloucado Jarvis Cocker.

Por Ana Luísa Silva 

Tinha o senhor Cocker cerca de 15 anos quando, juntamente com o amigo Peter Dalton, formou uma banda, com o nome de Arabacus Pulp – uma vez que Cocker queria que a banda se chamasse Pulp com todas as suas forças, por causa de Michael Caine – e começaram a tocar no Rotherham Arts Centre em 1980. A eles foram-se juntando o irmão mais novo de Dalton, dois amigos e Russell Senior que foi “pescado” para a banda enquanto trabalhava num mercado de peixe.

Nomeavam-se como uma banda que se encontrava em Abba e The Fall , e isso valeu-lhes que um olheiro desse por eles e em 1981 entregaram uma demo tape a John Peel – do famoso John Peel Show – e tocaram no estúdio do mesmo. A actuação trouxe-lhes a garra de que precisavam para prosseguir e tornaram-se a banda local com mais sucesso da altura.

Em 1983 lançam “It” mas o mesmo não alcança o sucesso esperado. A fama não era a que eles queriam e a banda viu-se obrigada a procurar exaustivamente por algo a que se pudesse agarrar para podere sobreviver. E foi assim que mudaram um pouco o conceito dos Pulp.

Uma nova encarnação dos mesmos nasceu e fez nascer igualmente um novo número de músicas e sonoridades distintas. Em 1985, após terem assinado com a Fire Records, Cocker faz o inesperado e acabou internado no hospital após ter tentado impressionar uma rapariga com os seus dotes de Spider-Man. Jarvis só tem uma solução que é aparecer em cadeira de rodas em todos os seus concertos. Todos estes acontecimentos fazem com que a relação Pulp – Fire Records seja tempestuosa e Cocker, anos mais tarde, admite ter aceite o contracto com a editora por ser a única que lhes tinha dado a mão. Verdade ou mentira, o facto é que durante este período dois singles – Little Girl (With Blue Eyes) e Dogs Are Everywhere - são lançados.

1987 marca o ano de explosão dos Pulp. Freaks é o álbum que se segue e que mais dor de cabeça deu ao vocalista. Ao que parece o mesmo foi gravado em apenas uma semana devido à pressão absurda por parte da editora. É um álbum negro considerado por muitos críticos a antítese entre o que de feliz e optimista tinha o “It”.

Os anos 90 são marcados pelo lançamento de “Separations” e de “His ‘n’ Hers” em 1992 e 1994 respectivamente.

O quinto álbum de originais Pulpiense nasceu em 1995. “Different Classes” levou os The Pulp ao top do UK Album Chart. Este foi o primeiro álbum em que o presidente do clube de fãs do Pulp foi apresentado como membro permanente da banda, liderando a guitarra e as teclas.

 “Disco 2000” e “Something Changed” fazem parte do universo de singles que compõem o álbum negro e tipicamente Cocker. “Common People” – outro single do álbum – tem como história uma rapariga que Jarvis Cocker conheceu na aula de escultura de St. Martins. Ao que tudo indica nada aconteceu entre eles, e tudo rola à volta do que ele a ouviu dizer. São apenas pensamentos de Cocker misturados com verdades cruas saídas da boca da rapariga mistério que só queria ir viver para a parte Este de Londres com as “common people”.

Em 2006 foi lançado um álbum com reedições das músicas dos Pulp e só em 2010 é que a banda se voltou a reunir. A banda anunciou cerca de 22 concertos entre Maio e Setembro do presente ano a terem presença na Europa e Austrália.

Jarvis Cocker foi presença marcante no Festival Paredes de Coura em 2009 e dois anos mais tarde esteve no festival minhoto com a sua banda, aquela que marcou uma geração.

Para recordar , um dos vídeos mais icónicos do grupo:


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …