Avançar para o conteúdo principal

Pink Floyd em Modo Classic Rock





Link da imagem 



Numa altura em que a crise é o centro das atenções, o Som à Letra não foge à regra e o Momento Classic Rock repesca do baú o inesquecível som das caixas registadoras em “Money”, dos Pink Floyd. Pensava que este tema era uma homenagem ao dinheiro? Experimente ler um pouco mais, e deixe-se surpreender….

Por Maria Coutinho
Originalmente publicado a  3 de Novembro de 2010

Na verdade, a letra da música aborda o lado negro do dinheiro - a ganância, a dependência, a injustiça social, o esbanjamento -  e há mesmo uma passagem que afirma “ o dinheiro, costuma dizer-se, é a raiz de todo o mal”. Ironicamente a banda lucrou fortunas com a edição, em 1973, do álbum “The Dark Side Of The Moon”, que tem fama de ser o terceiro mais vendido de sempre na história do rock.

Apesar de toda a banda ter contribuído - com um detalhe aqui, um solo mais além - e de a voz ser a de David Gilmour, Money é, essencialmente, uma obra de Roger Waters. Afinal, foi o baixista quem escreveu a letra e compôs o essencial da música, e nela toca uma das mais belas sequências de baixo que conhecemos.

Também foi Waters quem fez - literalmente - o “corte e costura” da bobine dos efeitos sonoros que torna o tema tão reconhecível a qualquer ouvido: o som da caixa registadora, as moedas a cair, as vozes de fundo… Tudo gravado, cortado e colado à mão por Waters na cabana do seu jardim, num estúdio improvisado; mais difícil ainda, fê-lo numa época em que ainda não havia computadores, samplers e outras tecnologias para ajudar a fazer a magia.

E por falar em magia, há quem defenda que há uma relação entre o álbum “The Dark Side Of The Moon” e o filme “O Feiticeiro de Oz”, que apresentam curiosas coincidências quando iniciados simultaneamente. Entre outros, e a exemplificar, quando Dorothy se aproxima do Homem da Lata para tentar escutar o seu coração, ouve-se, ao mesmo tempo, na música, um coração a bater. No caso de “Money”, ao ouvir-se a caixa registadora no inicio da música, o filme passa de preto e branco para cores, e Dorothy dá o primeiro passo da caminhada na estrada dos tijolos dourados…

Há quem se demore a discutir os aspectos técnicos do tema, a sua métrica rítmica inesperada, a gravação pioneira em 16 pistas nos estúdios da Abbey Road Reccords, pela mão do produtor Allan Parson… Tudo verdade, e de grande valor, mas nós gostamos mesmo é da mensagem, da inovação e da magia, presentes não só neste tema, mas em toda a obra dos mestres do Rock Progressivo dos Anos 70, os incomparáveis Pink Floyd.

Para recordar:




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …