Avançar para o conteúdo principal

Táxi no Luso Vintage






Link da imagem 


O álbum de 1982 dos Taxi, “Cairo” marcou pela sua emblemática e inovadora capa para a época: uma lata de formato circular. Lá dentro vinha a canção que dá o nome ao álbum, interpretada pelo vocalista João Grande.

Por Júlia Rocha
Originalmente publicado a  18 de Outubro de 2010

Este álbum tornou-se uma espécie de peça de colecção não só pelo “embrulho metálico”, mas também pelo “desbravar” que os Taxi conseguiram levar a cabo na música portuguesa. O jornal Público considerou este registo discográfico como um dos melhores da música portuguesa de sempre. 

A banda portuense nasceu em 1979. Apesar de inicialmente cantarem em inglês, mudam para a língua de Camões depois de receberem uma proposta para gravar um disco, com a condição de cantarem em Português. 

A música “Cairo” começa por falar da vida da cidade egípcia propriamente dita, mas cada um pode fazer a sua interpretação de uma parte mais obscura da letra. 

As características apaixonantes da misteriosa cidade distante, são cantadas a um ritmo quase frenético. As influências da new wave fazem-se notar mas também há espaço para o pop/rock psicadélico. 

Além do vocalista João Grande, os o grupo era constituído por Henrique Oliveira, Rodrigo Freitas e Rui Taborda. A banda separou-se em 1987, mas entretanto já se foi reunindo algumas vezes em ocasiões especiais, lançando inclusive um álbum em 2009, intitulado “Amanhã”.

Para recordar:




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Emissão Nº 3-Três às Sextas

Ingrid Michaelson

Link da imagem

Ingrid Michaelson é uma cantora com um cartaz de estilos que vão do Folk ao Pop. Gosta de cozinhar mas vive para a musica e nela demonstra uma grande versatilidade. Ritmos "catchy" que falam, invariavelmente, das típicas relações... Não é por isso que a musica de Ingrid é menos boa e não deixa de merecer um lugar neste programa.
Por Thomas Anahory 

Musicas: Sort Of - do àlbum "Everybody" ;  Parachute - Single You and I - do àlbum "Be OK"

Miguel Esteves Cardoso em Dá que pensar...

"Para uma família ser feliz, é necessário haver sedução. Os filhos têm de ser charmosos para encantar os pais, os pais têm de se esforçar para educarem convincentemente os filhos. E marido e mulher, caso queiram permanecer juntos, têm de passar a vida inteira a engatar-se. O mal da família é a facilidade. É pensar que aquele amor já é assunto arrumado."