Avançar para o conteúdo principal

Gogol Bordello na Dança do Som




Link da imagem


“American Wedding” ou como uma fanfarra faz uma grande farra, dando mote ao lema “think locally, fuck globally”.Gogol Bordello é sinónimo de festa rija, bebida a rodos e alguma loucura à mistura. 
Por Susana Terra
Originalmente publicado a 19 de Novembro de 2010


Consta que os elementos fundadores do grupo se conheceram em 1998, num casamento russo, nos EUA… poderíamos dizer que este contexto muito diz sobre o rumo que tal encontro teve.


Das mais variadas pertenças étnicas (Ucrânia, Israel, Roménia, Escócia, Etiópia, Tailândia, Rússia, China, Equador, etc.) os Gogol Bordello trazem-nos uma profusão de sonoridades directamente proporcional ao mellting pot dos seus membros.


O nome da banda não foi escolhido ao acaso. Eugene Hütz, vocalista, guitarrista (enquanto não destrói o instrumento nos múltiplos arremessos praticados em palco), incansável animador da farra e activista pelos direitos da comunidade romani, inspira-se num conhecido escritor da sua terra natal, Ucrânia - Nikolai Gogol.


Até ao momento, os Gogol Bordello lançaram cinco álbuns de originais – Voi-La Intruder (1999); Multi Kontra Culti vs Irony (2002); Gipsy Punks: Underdog World Strike (2005), sendo este o disco que os catapultou para o sucesso mundial com hinos como Start Wearing Purple, Not a Crime; Super Taranta! (2007), no qual podemos escutar American Wedding; Trans-Continental Hustle (2010).


A miscelânea fanfarrática de sons do grupo apenas encontra eco em grupos como Manu Negra, Fanfarra Ciocarlia, Kusturica and the Non-Smoking Band, apostando numa fusão de estilos transglobais – do folk eslavo ao punk, do flamenco ao dub, tudo bem regado com intermináveis doses de contagiante energia. Segundo a crítica, o rótulo onde a sonoridade da banda encaixa é o gipsy punk, uma categoria que de alguma forma se aproxima da essência da música , embora o leque de influências seja tão diverso que os Gogol Bordello escapam naturalmente a qualquer rebuscado exercício de taxinomia.


Em palco, a festa está garantida. Eugene bebe garrafas de vinho (a maior parte é derramado sobre si próprio e sobre a sedenta audiência), há bombos e gritos, danças diabolicamente estonteantes, delírios quase xamânicos, instrumentos partidos, muitas nódoas negras e inclusive fogo de artifício (aconteceu no castelo de Sines, no Festival Músicas do Mundo, em 2007). Os locais dos concertos são os mais improváveis – para além dos circuitos normais (salas de espectáculos e festivais) qualquer local serve para a farra, até mesmo o Kremlin em Moscovo (!).


Mais do que uma banda, os Gogol Bordello são um movimento global e artístico  que culmina em performances nada convencionais e que nos demonstra que as diferenças culturais e o mosaico étnico quando combinados produzem esta mistura explosiva (no bom sentido, diga-se), que o mundo ao invés de uniformizar e estandardizar em torno da ocultação e negação da diversidade,  ganha mais em conservar, promover e recriar a multiplicidade cultural que tanta cor (e festa) traz às nossas vidas.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …