Avançar para o conteúdo principal

Noites Ritual 2011




Foto/Irene Leite 


A segunda Noite


O Palco 1 da segunda noite do Noites Ritual foi claramente dedicado à música do Mundo e ao Hip-Hop. Por lá passaram nomes sonantes como Terrakota e Mind Da Gap.

Por Ana Luísa Silva
Terrakota

O segundo dia voltou a primar pela pontualidade. 22h05 e o palco 1 começa a ser pisado pelos senhores da Terrakota.

Começam logo a rasgar pois abrem a sua noite ao som de “É verdade” do álbum Oba Train, o que põe desde logo todos os presentes em pulgas, esperando por um concerto que prometia ser de arromba.

Os sete elementos da banda primam pela sua energia em palco e instrumentos que tocam. Desde guitarras eléctricas a cítaras, passando por djambés ou xilofones artesanais, os Terrakota levaram a noite do Porto até África apenas com um voo de uma música. As cores das suas roupas confundiam-se com a energia que emanavam.

Ainda que os Terrakota tenham chamado várias pessoas, o segundo dia não começou tão cheio como a noite dedicada ao Rock, mas foi enchendo, ainda que a medo, à medida que o concerto avançava.

“Bolomakoté” do álbum de estreia da banda, enche o público de boas energias, sonoridades e de muito reggae. O palco era sem dúvida, demasiado pequeno para tanta presença em palco.

Chega a altura em que Júnior e Romi interagem com o público e criam um ritmo reggae  com eles. Toda a gente, balançando de um lado para o outro, ligaram-se à banda nesta união rastafari que só se consegue através da música.

Muitos sons africanos, da mãe terra, como lhes chamam os entendidos criam uma atmosfera perfeita e demonstram de que matéria são feitos os Terrakota.

A cítara toma presença completa em palco e leva-nos a Bombaín em sonhos acordados servidos em bandejas onde djambés tocam ao fundo. “World Massala” mostra-nos que os Terrakota são a banda portuguesa de música do mundo por excelência, não fosse o tocador de cítara da Catalunha.

Júnior vai para junto do xilofone e desde lá evoca sons da mãe África com a música “Comboio da Justiça”, enquanto Romi pede a todos os presentes boas energias para que África se liberte de todos os males que a apoquentam. Segue-se “Métisse” e o fim está próximo.

 Terrakota trouxeram uma boa dose de feliz disposição aos presentes que aguardavam pelos senhores que se seguiam.


Mind Da Gap:

Os Mind Da Gap saltam para o palco. Sem dúvida que a noite estava mais composta, mas ainda assim nada se comparava à quantidade de gente que havia afluído à zona do Palácio de Cristal na noite dedicada ao Rock.

A banda de hip-hop liderada por Ace, Presto e Serial estavam ali para dar o melhor que podiam e sabiam. Abrem a noite com músicas conhecidas do público e com os seus singles mais famosos.

Pelo palco 1 das Noites Ritual, passaram músicas como “Abre os Olhos”, “Todos Gordos”, “Só P´ra ti”, “Não stresses” e “Dedicatória”.

Evocaram a cidade Invicta em quase todas as músicas, fazendo modificações inteligentes nas mesmas de modo a inserirem a palavra Porto sempre que podiam, levando ao êxtase os presentes.

Conhecidos pela sua presença em palco bastante marcada e por saberem como entreter o público, os Mind Da Gap, em tom de brincadeira perguntaram aos fãs o que queriam ouvir. Entre imensos pedidos acataram um. “Como conseguem?” foi o escolhido.

Uma hora de concerto que passou a voar entre gente ia e gente vinha. Uns estavam no concerto desde o início, outros arrastavam-se até às barracas da Super Bock enquanto cantarolavam um pouco das músicas e abanavam a cabeça ao som da batida de Serial e companhia.

Parado nunca ninguém esteve.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …