Avançar para o conteúdo principal

Noites Ritual 2011

Terrakota


A segunda noite


O segundo dia do Noites Ritual voltou a prometer. Com Terrakota, Mind da Gap e Orelha Negra a animação estava garantida, com público em êxtase.Já para não falar em (grandes) promessas como The Underdogs, grandes riffs dos D3O e o rebuçado dos The Chargers, que não poderiam ter arrancado da melhor maneira os concertos. 

Texto/Fotos Irene Leite 

21h30 em ponto. Arranca o segundo dia de mais uma edição do Noites Ritual... e (muito) bem. 

Os The Chargers deram as boas vindas num concerto bem enérgico que nos transportou de imediato para as festas de garagem dos anos 60. Espirito "apache"  dos Shadows em pleno 2011. Até os Ramones foram recordados, num instrumental  do icónico tema "sheena is a punk rocker". A menina dança?






O tempo é que voava e o palco 1 já estava a postos. "Preparados para o ritual?", "Are you ready?"; questionavam os Terrakota , que proporcionaram um concerto envolvente , onde a liberdade e o African Style dominaram e brilharam. O publico queria mais... nós também. 

Seguiu-se a promessa Rock `n roll,  The Underdogs. "De Aveiro para o mundo"...nem mais. Grandes riffs, com destaque para o viciante "she is la", que conquistou de imediato. Destaque ainda para a cover da grande iguana, "Lust for life". 

A animação seguia, desta vez com os Mind da Gap. Um concerto "sem stresses" em que ninguém hesitou em dançar e cantar os temas do grupo do Porto. "Porto, quero ouvir barulho" , pediam.  E o publico seguia com,  "não stresses". 


Então com o tema "Dedicatória", nem era preciso o grupo cantar, que o público tratava dessa parte. Decididamente o momento alto do concerto , sempre com forte ligação aos fãs. Tal como aconteceu com os Terrakota, a invicta queria mais.

O ritmo seguiu muito (muito) bem, desta vez ao comando dos D30. Rock puro e duro, com direito a temas do próximo álbum. O vocalista Toni Fortuna estava imparável, num concerto bem intenso, com poderosos e longos riffs. 

Mas estava na hora de encerrar a noite, que não poderia vestir melhor indumentária : Orelha Negra. 


Nada melhor que uns temas bem mexidos para aquecer ainda mais o ambiente. Ninguém resistiu ao tema "since you´ve been gone". 

Destaque ainda para os samples de canções bem conhecidas, que mantiveram sempre o público em delírio: Superfreak, de Rick James; Smack my bitch Up, dos Prodigy e até Snap, com "I got the power". Ninguém parou, custando a despedida.

Para encerrar a noite em grande, os 7 Magnificos conquistaram até ás seis da manhã, com musicas que nos transportaram para os bailes/festas de garagem dos anos 60.  Para o ano há mais. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …