Avançar para o conteúdo principal

Noites Ritual


Linda Martini 

Foto/Irene Leite


O relógio marcava pontualmente as 22h05 quando “a voz” evoca o público ao Palco 1 como uma chamada imperativa. Os Linda Martini estavam para começar. Um roçar de riffs de guitarra intemporal soava no ar quando de repente disparam a música “Dá-me a tua melhor faca”. Corria gente por todo o lado enquanto o som gritava e batia freneticamente.

Por Ana Luísa Silva 

O quarteto com o seu ar melo-dramático, luzes estridentes e riffs contínuos fazem ranger a sua música pelos ares trabalhando como um chamamento divino. Cada vez mais público afluía ao concerto. Especados e fervorosos, esta multidão fervilhava por algo mais.


Numa actuação apaixonada e suada, os Linda Martini não deixam que os momentos de passagem de uma música para a outra, seja sinónimo de monotonia. Os acordes não param e segue-se “Nós os Outros” do novo álbum “Casa Ocupada” lançado em 2010. Em palco todos se agitam, electrocutados pelo roçar constante de cordas, que trémulas não param de fazer o seu trabalho. Ao fundo ouvem-se vozes a ecoar no ar, qual sensação fantasmagórica, enquanto braços brancos e leves sobrevoam moliquentes no ar.


O primeiro “obrigado” da noite surge aquando das primeiras notas do eterno single “Amor Combate”, que é desde logo engolido pela fome insaciável destes seguidores. Ainda que bastante notória a enchente de fãs na frente, o “restinho que se foi deixando para trás” ainda bate palmas e acompanha com batidas de pé.


Com uma presença em palco brilhante e ininterrupta, os Linda Martini seguem com “Cronófago”, fazendo renascer “Olhos de Mongol”. Bastaram três segundos do riff de abertura para que os mais adormecidos se começassem logo a mexer.


Já iam a meio quando a casa é de novo ocupada e saltam de lá três únicas frases que constroem a “Juventude Sónica” do novo álbum. Riffs de baixo plantam um pânico saudável quando a tarola ajuda a perceber o que se segue. “Sentimos no ar a melodia etérea. É a nossa música. Cantamos e dançamos como se fosse a última vez, o último olhar, o último toque, o último beijo. Estás linda.” Fazem com que todas as vozes se tornem uma só. Mãos ao ar, cabeças em frente, todos saltam ao som da incrível bateria de Hélio Morais.


O fim está próximo e as últimas duas músicas vêm com um cartão de dedicatória. Pelo meio ouve-se um dispensável e triste “Morre Cláudia”, que ainda que tenha criado surpresa na banda, não os fez perder a garra.


Sem dúvida que os Linda Martini marcam os palcos que pisam. Com um passado punk e hardcore herdaram a atitude descomprometida e sincera com que encaram a sua música. São únicos. Têm uma presença descomunal e conseguiram mesmo ocupar a casa em mais uma noite de Ritual.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …