Avançar para o conteúdo principal

À Conversa com...

Elektra Zagreb






Energiiia  em movimento

São jovens, têm energia por todos os lados e querem ser a melhor banda do mundo. O Luis (ou Luka) , mentor da aventura sonora, não tem papas na língua , e o Som à Letra não pode deixar de apreciar o grupo bem energético. Queremos mais, muito mais...eles também.

Por Irene Leite 


1- Como e quando surgiram os Elektra Zagreb? Falaste Luís, que foste tu que iniciaste toda esta aventura.

Penso que o projecto começa a fazer sentido na minha cabeça imediatamente quando me deparei com este nome. Eu já tocava faz algum tempo com pessoas como o Álvaro, Bruno, e Nuno, que tiveram um papel importante no desenvolvimento de algumas das minhas ideias embrionárias daquilo que viria a ser o atual som da banda, pessoas que mais tarde seguiriam outros rumos. Passada essa fase, surgiram os restantes elementos da banda, Jon (drums), Will (vocals), e mt recentemente o Rick (bass), temos todos nickname na banda, eu sou o Luka (guitar). 

"os nomes que vamos criando têm de estar à nossa altura,  mas muitas das vezes são banalidades "life is like weather, after rain comes sun", mas soa tão bem!"


2 - Porquê Elektra Zagreb? Para além da energia associada à palavra ….

Voltando atrás e falando do nome, eu queria algo associado a palavras como "energia" "poder" no sentido de criação, e claro, que soasse forte e que fosse esteticamente belo. Voilá, foi precisamente em Zagreb (3 anos atrás) que casualmente encontrei esse nome e aceitei-o como uma dádiva divina  (sou crente). Esperamos nunca vir a ter problemas em tocar lá (Zagreb), é um dos meus sonhos!

3- ….”O nosso som é parecido com uma baleia que dá a luz, gostamos de canários, papagaios solitários e lobos gritantes”. Bem, promete dar largas À imaginação, com sentimento À flor da pele. Existe alguma preocupação específica nas vossas canções em termos de temática, ou é simplesmente intuitivo?

Alguns dos temas/títulos (poucos) eu já tinha na cabeça, outros simplesmente surgiram qd o Andrei (Will) ouviu o instrumental. Por exemplo, o nome "sweet factory" surge devido à fabrica de chocolates que existe em Zagreb, a famosa Kras factory. De resto o Andrei é um excelente "lírico" capaz de surpreeder muito neste campo. Somos uma banda imaginativa e os nomes que vamos criando têm de estar a nossa altura,  mas muitas das vezes são banalidades "life is like weather, after rain comes sun" , mas soa tão bem!


Nós somos isso mesmo, uma mulher bonita na rua a passear. Uns vão achar que somos mesmo bons, outros que somos convencidos e arrogantes, outros nem vão dizer nada, c'est la vie. 

4- Em termos de influências referem o shoegaze , e de facto constato o enfoque na melodia que vossos temas apresentam . Há também referências aos MGMT. Espírito indie portanto… e a crítica, está a ser bastante positiva, segundo o que li…"Influenciados por bandas como Pixies, Suede, Nirvana e MGMT, os Elektra Zagreb tentam criar o seu próprio “rótulo musical”. Apesar de jovens, têm tido um excelente feedback, sendo considerados como uma das mais interessantes bandas do panorama indie rock nacional." Desenvolvam mais um pouco, va

Sim, inevitavelmente já nos compararam com outras bandas, bandas essas que respeito imenso mas que por acaso nem fazem parte do leque de bandas que me influenciam (in)directamente a criar o meu próprio som. MGMT são muito recentes comparado com aquilo que costumo ouvir, mas adoro a componente melódica e fantasista deles (a electrónica nem tanto). Ter o rótulo de indie hoje em dia não me parece que seja muito bom, por isso acho que estamos na categoria pop-rock,  mas a trilhar o nosso próprio caminho, ninguem mais o fará melhor que nós!

5- Como é que tem sido a recepção do público?

Acredito que o pouco público que teve a opurtunidade de nos ver tocar ao vivo gostou (talvez uns nem tanto), mas não tenho por hábito perguntar se gostam ou não, não faz sentido. Uma mulher bonita quando passa na rua, não pergunta aos transeuntes se é bonita ou não. Nós somos isso mesmo, uma mulher bonita na rua a passear. Uns vão achar que somos mesmo bons, outros que somos convencidos e arrogantes, outros nem vão dizer nada, c'est la vie. Chegar ao maior numero de pessoas sem discriminar ninguém é o nosso objectivo, fazemos musica para todos!

"Eu gosto muito da temática da fisica quântica em que me diz, "tudo é uma possibilidade", ou seja, enquanto for possivel estaremos aqui para nos bater pela liga dos campeões, mas não vivemos obcessados com isso, a pressão é inimiga da criação. Mais do que musicos, seremos criadores"


6-Participaram no Rock rendez worten. Como foi a experiência?

 Bem,  a participação no concurso RWW em si, acho que é um flop. Nós não gostamos de concursos, "competir" com músicos totalmente diferentes de nós não tem sentido, ainda por cima quando têm por base votações,  "likes",  ainda muito menos. Nós ainda não somos uma banda "popular". Se me falas na atuação que aconteceu para o RWW no MusicBox, essa foi excelente, curta mas muito intensa. É bom tocar em boas salas com bom equipamento, poderemos realmente oferecer o que temos, nós gostamos de tocar bastante alto e nem sempre é possivel. 

7- Já possuem algum ep, álbum? Se não, estão a ponderar. Se sim, para quando ?

Gravamos dois  temas com boa qualidade sonora, e isso deu origem ao nosso primeiro EP com nome homónimo. Contamos que até Janeiro (fazemos um ano de banda) possamos gravar o segundo EP (aproximadamente cinco músicas) com mais produção, as pessoas ainda não nos conhecem , logo é fundamental termos um suporte mais sério. Em paralelo contamos fazer um álbum caseiro com todas os nossos primeiros temas que temos rodado ao vivo, (estou a falar de cerca de 10/12 temas que correspondem a uma fase de música mais "crua"). Actualmente teremos  cerca de 20 temas no total, e mais  alguns a serem preparados. Com a chegada do baixo, permitiu-nos fazer outras coisas, a música como que assentou, agora vamos partir para outra dimensão, a partir de Janeiro é bastante provavel que avancemos para teclado, eu toco orgão. 

8- Quais são as vossas expectativas para os próximos tempos?Planos futuros.

Há dias reparei que os Ornatos Violeta são provavelmente a banda portuguesa com mais amigos no facebook (100 e tal mil amigos), raro para uma banda que só tem ois albuns. Bem, queremos fazer mais do que dois álbuns, e temos 300 e tal amigos, acho que estamos no bom caminho para ultrapassa-los ,  e ser a melhor banda portuguesa da história (este país demanda), repare que até hoje nunca tivemos uma banda portuguesa a dar reais "patadas de êxito" lá fora, podemos não conseguir, mas a sensação do dever cumprido é tudo. Eu gosto muito da temática da fisica quântica em que me diz, "tudo é uma possibilidade", ou seja, enquanto for possivel estaremos aqui para nos bater pela liga dos campeões, mas não vivemos obcecados com isso, a pressão é inimiga da criação. Mais do que musicos, seremos criadores!

Obrigado Irene!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …