Avançar para o conteúdo principal

Critica Musical-Parte II


10 000 anos depois entre Vénus e Marte 






Link da imagem


A ideia é simples: vamos entrar numa nave espacial, fugir e voltar mais tarde a uma Terra sem os horrores do presente.


Por Tiago Queirós
Originalmente publicado a 22/12/10


«O Ultimo dia na Terra» dá início a esta jornada como apresentação de um mundo que não será o desejado, cheio de cimento e betão. Um planeta « que não pode mais viver». É em passo de despedida, num down-tempo , repleto de sons atmosféricos que nos levam directamente para os anos 70. 

É difícil associar um álbum português nos melhores do mundo, seja de que género for, é sempre algo surpreendente. Mas o feito será certamente maior porque Cid canta a sua língua. Na língua  que poucos ouviram ser cantada pelo mundo. Há vida para além do Fado em Portugal, e não é recente.

O «Caos» que o planeta Terra verifíca é pretexto para um dos temas mais dinâmicos do álbum. Dançável e orelhudo, complementa-se pelo fantástico trabalho trabalho de Mike Sergeant (guitarrista) , colega dos tempos do Quarteto 1111. É em passo de corrida que se cria um dos sons mais épicos da carreira deste ícone da música portuguesa.

«Todos os caminhos levam a lado nenhum» é algo que ecoa na cabeça, assim como o baixo que marca os tempos da música de forma notável. Temos de sair deste planeta e voltar, quem sabe , daqui a 10 000 anos...

O ritmo quebra mais uma vez. De repente sente-se uma certa tranquilidade nas notas produzidas no teclado. O solo de guitarra é de outro mundo, e é assim que começamos a «Fuga para o Espaço».

É impressionante a forma como se espelha na música a progressividade de um tema, que apesar de abstracto, chega facilmente ao coração das pessoas,  conseguindo ganhar uma certa consciencialização sobre o panorama em geral : o mundo que nos rodeia.

Os back-vocals conseguem captar o nosso ser irracional,  neutralizando-o numa galáxia distante e deixando-o a flutuar algures a milhares de anos-luz. Ao nível dos vocals de «Great Gig in the Sky», sem nunca cair no cansaço de um tema mais sinfónico.

Neste capítulo quatro desta epopeia espacial chegamos finalmente ao nosso destino - «Mellotron, o Planeta Fantástico».

O destino é também ele o pico. Não só de um álbum como de uma carreira. Daqui para a frente o autor poderá fazer o que quiser que estará perdoado. Este conjunto deu um novo mundo ao mundo, e é em honra ao instrumento que marca toda a geração progressista e psicadélica que se baptiza este planeta de Mellotron.

Numa fase inicial sente-se um certo sentimento de descoberta, e diria até uma certo optimismo face ao desbravar de novas oportunidades que este novo mundo terá para oferecer... no entanto a Terra ficou para trás.

O segredo dos temas encontra-se nos sons atmosféricos e na opção dos tempos com o desenrolar da “viagem”.

O tema «10.000 anos depois entre Vénus e Marte» apresenta um novo planeta, ou quem sabe um planeta renovado, pronto a ser povoado e a começar do zero. Uma nova luz ao fundo do túnel. Uma nova luz no radar, entre Vénus e Marte. Mais uma vez os sintetizadores retratam um mundo ao nível do Star Trek, que nos conduzem até uma nave repleta de botões e luzinhas, onde pequenos astros se vislumbram pela janela. Mais uma vez o sentimento de nostalgia prevalece na música que demonstra uma certa calma. Mais um momento de reflexão antes da aventura.


É neste pequenos pormenores que se demonstra o génio de um artista, muitas vezes julgado pelas opções que tomou na carreira, mas que nem sempre fora apoiado como talvez fosse necessário.

«A Partir do Zero» retoma o ritmo rápido, e apesar de não ter feito referência, o trabalho do baterista é essencial. Sem ele,  o efeito atmosférico dos sintetizadores não seria de forma alguma maximizado.

Apela-se ao renascimento de um  planeta e de uma civilização. Aplaude-se um novo início. A música volta a encarnar um sentimento optimista. Estamos de volta ao planeta Terra.

«Memos» relembra uma viagem de 10. 000 anos que deixa as suas marcas, memórias e lembranças. E é pegando no instrumental de «Fuga para o Espaço» que se relembra a fuga... Este é um tema algo confuso no encaixe do álbum, mas possivelmente o autor tenta relembrar que noutros tempos tivemos de fugir e que temos que ter isso em mente, de forma a não cair nos mesmos erros.

José Cid despede-se nesta jornada presenteando-nos com «Vida ( Sons do Quotidiano)». É assim que termina uma das jornadas mais subvalorizadas da música portuguesa, naquele que deveria ser um álbum de culto e que só o tempo ditará o inevitável.


Este tema ainda revela algumas influências do Quarteto (relembre-se que fora lançado como EP anteriormente) mas o uso dos efeitos sonoros bem ao nível da geração psicadélica dos anos 70 demonstra que este é um álbum completo, com principio, meio e fim. Um fim que apresenta uma criança universal que apela à paz entre os homens como um Messias do futuro. Um fim longe de ser o final.

Infelizmente, o público não se demonstrou receptivo a este álbum que face aos seus custos tornou -se dispendioso demais para Cid arriscar um seguimento no rock progressivo. Daqui para a frente muitos dizem que a carreira de José Cid perdeu-se, mas simplesmente vendeu-se às suas próprias necessidades, e isso ninguém pode julgar. 

Da próxima vez que virem este senhor na televisão, lembrem-se que há muito mais na sua carreira , do que macacos que gostam de bananas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …