Avançar para o conteúdo principal

À conversa com...






Peter Hook

Manchester continua a mesma, é uma grande cidade musical

Em Fevereiro deste ano, no Clubbing na Casa da Música,  tive a oportunidade de conversar brevemente com o Peter Hook. Inicialmente não havia a certeza de conseguir furar a barreira do management , mas graças à ajuda interna que tive lá,  cheguei. Ficamos na porta do camarim a trocar uma palavras até ao momento que lhe disse que tinha três,quatro, perguntas rápidas para lhe fazer sobre a sua carreira. Eu sei que a pergunta foi enganadora mas, quando ele escutou a palavra carreira disse "...Bem, é melhor entrares mate"...here we go.

Por Luís Graça 






Peter, o Ian tocou guitarra (mesmo que pouco) no "Love Will Tear Us Apart". Foi um momento único?


Sim, tocou, como se pode ver no vídeo. Tocou apenas no "Closer", naquele tema e em mais dois ou três, entre eles o "Incubation".

Os New Order foram talvez o melhor exemplo de um grupo que após perder o seu vocalista principal consegue seguir em frente mantendo um nível de sucesso idêntico ao obtido com os Joy Division. Como escolheram o sucessor do Ian?


Não te esqueças dos Genesis (n.d.r : Sim, é verdade, mas continuam a ser um caso raro). 
Depois da morte do Ian foi essa a nossa vontade e penso que seria igualmente a vontade do Ian. Quanto ao vocalista, o processo de escolha foi simples, todos cantamos e fizemos os nossos testes mas sabes o que realmente aconteceu? O Bernard era o que conseguia melhor tocar e cantar ao mesmo tempo, era o que se "desenrascava" melhor!


Habitualmente costumo tentar descobrir alguma história que se esconde por trás de um tema. Algo especial que queiras contar sobre o "Blue Monday" dos New Order? Como aparece um tema como aqueles e com aquela duração? 


A ideia inicial era tocar essa música no "encore". Sabes, não gostávamos de "encores" e o "Blue Monday" foi criado para esse fim, um instrumental para regressarmos ao palco. Mais tarde, ao fim de alguns retoques acabou por chegar ao som que todos agora conhecem (apesar das muitas remisturas que já existem por aí). Nunca pensamos que se tornasse num tema de tanto sucesso.




É verdade ou mito que tu e o resto da banda ajudaram a dobrar e preparar a edição do "The Return of the Durutti Column" nas instalações da "Factory Records" a pedido do Tony Wilson?

Sim, é mesmo verdade. Fomos "convidados" para fazer esse trabalho no disco que mencionas e em mais dois, o "Pieces for an Ideal" dos Durutti Column e o "A Factory Sample", uma compilação da Factory. E, já agora, sabes quanto o Tony Wilson nos pagou? 50 pences por cada 100 capas. Trabalho de escravo (risos !!).

Para terminar, que bandas novas ouves actualmente? Manchester continua a ser uma verdadeira maternidade para excelentes projectos musicais. Já tivemos por cá os "Hurts".

Manchester continua a mesma, é uma grande cidade musical. Os “Hurts”.....sinceramente não gosto. Das bandas actuais ouço e gosto dos "Everything Everythng" (muito bons), os "Two Door Cinema Club" e os "Stowaways".


Fonte original: http://diazepam05.blogspot.com/2011/03/peter-hook-uma-breve-conversa-em-voz.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …