Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"










Link da imagem




O Verão Eterno d`Os Capitães da Areia


A música portuguesa está a atravessar um bom momento e Os Capitães da Areia são, sem sombra de dúvida, legítimos protagonistas deste período. Se os temas “Bailamos No Teu Microondas” e “Capitão Bomba” anteviam já o que poderia vir aí, a confirmação fez-se no concerto de apresentação do seu primeiro longa-duração “O Verão Eterno”, na passada sexta-feira 11/11/11, no espaço TMN Ao Vivo, perto do Cais do Sodré, em Lisboa. Era com alguma expectativa que aguardava o concerto desta formação lisboeta, em relação à qual apenas conhecia três temas. 


Por Bruno Vieira 


No final, senti-me contagiado pelo eterno espírito veraneante da banda, apesar do tempo ser já o de típico Outono. Mas por momentos foi o Verão quem reinou, ou não estivéssemos no Verão de S. Martinho. No final do concerto, sem calções nem toalha, mas bem aquecido pela boa música da banda, o público que em bom número acorreu ao TMN ao Vivo, não deu pelo tempo mal empregue, muito pelo contrário.

Com um atraso considerável em relação à hora prevista, mas suficiente para compor a sala, o ambiente foi-se fazendo à medida que o público heterogéneo (misto de groupies, amigos, família e demais) ia chegando. Não era bem dos 8 aos 80, mas quase, conferindo ao espaço uma agradável atmosfera familiar.

As movimentações no palco indiciavam o início dos trabalhos, enquanto eram projectadas algumas imagens onde sobressaía um jogo “quantos-queres” de papel. Logo de seguia os elementos da banda, à excepção do vocalista e meninas do coro, perfilaram-se juntos dos respectivos instrumentos dando início à introdução. A entrada em palco do Capitão Pedro de sombrinha oriental na mão e envergando um “look navy”, juntamente com as meninas do coro, fez-se ao som dos primeiros acordes do tema “Capitão Bomba”. O microfone coberto por uma bandeira “que não era de França” quase escondia a figura franzina e tímida do Capitão Pedro, que à medida que o concerto foi decorrendo, adquiriu mais confiança ora coreografando ritmos e batidas ora soltando algumas palavras frias e distantes, mas nem por isso arrogantes. Seguiu-se “Brincos de Cereja”, tema de abertura do álbum. 


Pelo meio, os incontornáveis “Bailamos No Teu Microondas”, bem como o mais recente single “Dezassete Anos” animaram e bem o público. 




Para finalizar “Dezassete Anos” teve direito a repetição, desta feita cantada pelo Capitão Pedro às cavalitas do padrinho da banda , Manuel Fúria, abrindo caminho por entre o público. Depois de uma queda que felizmente, não teve consequências de maior, o Capitão Pedro deu por encerrada a actuação com os pés bem assentes no chão e em clima de festa. Que melhor final Os Capitães da Areia poderiam dar ao público presente? Em contraste com o nervoso miudinho que pairava no ar aquando da preparação da introdução e que rapidamente se dissipou, dando lugar a uma actuação segura e competente, pese embora a voz do Capitão Pedro nem sempre se fizesse ouvir nas melhores condições.


Mais do que qualquer outro tema, houve um que me despertou a atenção, tratou-se de “Raparigas da Minha Idade”, com direito a repeat em casa, no carro e no leitor de mp3. A ver vamos se terá direito a vídeo, com o habitual toque naif a que os Capitães já nos habituaram. As versões de “Alegria” (clássico dos Heróis do Mar) bem como de “Rapazes de Lisboa” (do também ex-Heróis do Mar , Paulo Pedro Gonçalves), não passaram despercebidas. Não terão sido escolhidas ao acaso para preencher o ainda curto repertório da banda. De facto, a música de Os Capitães da Areia tem muito do pop/rock português dos Anos 80, com claras influências de nomes como Radar Kadafi, Afonsinhos do Condado ou Heróis do Mar. A fórmula não sendo original, mas com provas dadas no passado, pode ser reinventada agora com identidade própria e adaptada aos dias de hoje sem parecer ridícula. A música de Os Capitães da Areia é um misto de juventude, alegria e inocência, que resulta numa atmosfera ao mesmo tempo descontraída e dançável. Quando os Capitães afirmam querer viver O Verão Eterno, não é mais do que o desejo de desfrutarem a vida bem vivida. Como dizia o saudoso Raul Solnado, “façam o favor de serem felizes”…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …