Avançar para o conteúdo principal

Crítica Musical-Parte I



10.000 anos depois entre Vénus e Marte



O Quarteto 1111 fora baptizado, por muitos, como os Beatles portugueses. Anos mais tarde José Cid, já a solo,  provara ser um autêntico “José Waters” naquele que viria a ser um álbum histórico a nível nacional , constando nas mais conceituadas listagens internacionais – «10.000 anos depois entre Vénus e Marte».


Por Tiago Queirós
Originalmente publicado a 22/12/10

O público vê nas suas estrelas deuses mitológicos que automaticamente têm acesso a todo o tipo de luxos e regalias que o comum mortal não terá. Por esta ordem de ideias, a liberdade criativa do músico não deve ceder a nada que o rodeie. Isto é completamente errado, e José Cid prova isso mesmo com o ditar da sua carreira , agora voltada para um registo popular, indicada a um público passageiro ou menos direccionado.

Com os Quarteto 1111 uma nova cultura pop rock, repleta de influências na Beatlemania e na cena musical Inglesa, Cid ganhou notoriedade no público português e muito se deve ao desaparecido Rei   D. Sebastião e à lenda que dita tal tragédia. O nível internacional do Quarteto levou-os a cabeças de cartaz daquele que seria o primeiro festival de verão nacional, Vilar de Mouros, também conhecido como o Woodstock português. Não era de todo um desconhecido, mas queria mais.


As origens

Com o sucesso de «Dark Side of The Moon (1973)» e de bandas como os Genesis, Yes e Camel ( que certamente terá a sua cota de influência) abriu-se uma oportunidade aos olhos de Cid de tentar algo mais progressivo.

Em 1978, e a muito custo, o álbum «10.000 anos depois entre Vénus e Marte» é editado pela Orfeu , que muitos entraves colocou sobre a produção do mesmo e posteriormente pela sua distribuição. A verdade é que ainda hoje este não é um álbum apelativo a multidões e a sua produção alcançou custos acima da média. Preço que poucos estariam dispostos a pagar por pormenores deliciosos, que marcaram os anos 70,  como é o caso do uso do Mellotron, de todo um conjunto de sintetizadores e de um artwork de uma impressão acima da média.

Tudo começa um ano antes com o lançamento do EP «Vida (Sons do Quotidiano)» que apresentava um rock mais sinfónico e com uma estrutura pouco habitual para a época. Mais complexa e trabalhada com base num pequeno resumo de doze minutos daquilo que a vida representa – uma história.

Do berço à campa, Cid usa todo um mundo de efeitos atmosféricos e de sons do quotidiano (como anuncia o título)  que nos encaixam na perfeição naquilo que será um flashback de pequenos momentos – desde a maternidade com o anunciar do nascimento,  ao entusiasmo de crianças a brincarem, quem sabe, no recreio da escola... até ao final trágico de um acidente de viação.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …