Avançar para o conteúdo principal

Pearl Jam

20 anos 




Em ano de comemoração dos 20 anos sobre a edição de “Ten”, revisitamos o passado da banda de Seattle, viajando até ao início da década de 90. Estávamos na época do “grunge”, das letras repletas de angústia e de sarcasmo, e do look desleixado que se tornou moda em muitos liceus. As camisas de flanela e os cabelos compridos marcavam uma geração, a minha geração. Acompanharam-nos durante a adolescência, e volvidos vinte anos continuam a “dar-nos música”, mais calmos, mais maduros, mas com o rock como pano de fundo. 

Por Carmen Gonçalves



Formaram-se em 1990 e um ano mais tarde, a 27 de Agosto de 1991, lançaram “Ten”, o primeiro registo da banda. Para muitos é um dos melhores álbuns de sempre, e sem dúvida é um dos melhores exemplos de música “grunge”. “Even Flow”, “Jeremy” e “Alive” foram os singles retirados do disco, porém, mais tarde, “Black” alcançou um estrondoso sucesso, tornando-se numa música de culto para muitos fãs.



Poucos dias antes do álbum chegar às lojas, os Pearl Jam, actuaram pela primeira vez em espaço exterior, no “Mural Ampitheater” em Seattle. Neste concerto percorreram os temas que compunham “Ten”, demonstrando a energia e a vitalidade que iriam caracterizar as actuações ao vivo da banda.


Após este sucesso e as digressões que se seguiram, em 1993 voltaram ao estúdio para gravar “Vs.”. Os inúmeros fãs que haviam conquistado receberam muito bem o álbum, tendo batido o recorde de cópias vendidas numa semana. Foi a consagração do grupo e este segundo registo reforçou a ideia de que a banda de Seattle se iria tornar numa banda de culto. Temas como “Go”, “Animals”, “Dissident” e “Daughter” juntaram-se aos anteriores, para se tornarem hinos nas actuações ao vivo, fazendo as delícias do público.


Entre as digressões de apresentação de “Vs.” gravaram o que viria a ser o terceiro registo de originais “Vitalogy”, que chegou ao mercado no final de 1994. Este foi rotulado como o álbum mais original dos Pearl Jam, e neste constam temas como “Spin the Black Circle” e “Better Man”, que se tornou um sucesso, tendo permanecido oito semanas seguidas na primeira posição.







Após o término das gravações, o baterista Dave Abbruzzese foi substituído por Jack Irons, ex-baterista dos Red Hot Cili Peppers, que foi apresentado oficialmente na tournée que se seguiu.


Em 1996 seguiu-se o quarto álbum da banda, que chegou ao mercado exactamente 5 anos após a edição do primeiro disco. “No Code” foi visto como uma deliberada mudança no som da banda, favorecendo um rock mais intenso, intercalado com músicas mais calmas. É talvez o álbum dos Pearl Jam que mostra uma maior gama de estados de espírito. De “No Code” saíram os singles “Who You Are”, “Hail, Hail" e “Off He Goes”. O álbum seguinte foi lançado em 1998. “Yeld” foi como um regresso ao som roqueiro de outrora, contudo as letras deram continuidade ao estilo mais contemplativo do registo anterior. Os singles de apresentação recaíram nos temas “Given to Fly” e “Wishlist”. Neste mesmo ano os Pearl Jam trocaram novamente de baterista, tendo a escolha recaído sobre Matt Cameron, ex-baterista dos Soundgarden.




O sexto registo de originais, “Binaural”, foi editado em 2000, e foi o primeiro registo da banda a não alcançar um disco de platina. Ainda que as vendas não tenham atingido o expectável, deste álbum foram extraídos dois singles de sucesso “Nothing as It Seems” e “Light Years”. Em 2002 chegou às lojas um novo álbum, “Rioct Act”, tendo uma sonoridade mais folk e experimental.



O trabalho dos Pearl Jam para o sucessor de “Riot Act” deu início após a digressão Vote for Change, de 2004. Mas só a 2 de Maio de 2006 é que o homónimo “Pearl Jam” chegou às lojas. A crítica musical referiu que era um retorno à sonoridade inicial da banda, tendo as causas político-sociais lugar de destaque no tema “World Wide Suicide”, uma crítica à guerra no Iraque. Deste álbum foram ainda retirados os temas “Life Wasted” e “Gone”.

Em Setembro de 2009 foi editado o último registo de originais da banda gravado em estúdio. “Backspacer” apresenta uma sonoridade influenciada pela pop e pela New Wave, tendo em “The Fixer” o single de apresentação, cujo vídeo ficou a cargo de Cameron Crowe.



Para além dos álbuns de estúdio, os Pearl Jam contam com centenas de álbuns editados alusivos às diferentes tournées. O conceito surgiu em 1998, com a edição de “Live on Two Legs”, um disco gravado para cada concerto da digressão. Os fãs agradeceram, e o sucesso foi tal que os registos dos concertos foram gravados e lançados em CD durante várias tournées. Juntam-se ainda a estes registos diversas compilações editadas, como é o caso de “Lost Dogs”, um registo de raridades e lados-b.

A 20 de Setembro estreou nas salas de cinema nacionais o retrato definitivo dos Pearl Jam. Realizado por Cameron Crowe, “Pearl Jam Twenty” foi baseado em muitas horas de gravações raras, em entrevistas com a banda e em diversas imagens em palco, mostrando um lado mais real da carreira dos Pearl Jam.


O vídeo será lançado juntamente com uma banda-sonora que inclui 2 CD’s de raridades e músicas não editadas. Será ainda lançado em livro, retratando a história das duas décadas da banda, e conta com um prefácio de Cameron Crowe.

O próximo registo de originais, ainda sem nome, tem edição prevista para o início do próximo ano, confirmando que os Pearl Jam prometem longos anos de carreira. Há 20 anos atrás mostraram-nos o que é o rock, foram-nos acompanhando e crescendo connosco. A nós, fãs confessos, resta-nos agradecer o facto de fazerem parte da banda-sonora das nossas vidas.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …