Avançar para o conteúdo principal

The Raveonettes na Dança do Som




Link da imagem 

O frio que se tem feito sentir pelo país advém de uma onda gélida proveniente da Dinamarca que só os mais sabedores conseguem explicar. Ou isso, ou o facto de os Raveonettes continuarem a dar que falar. O Som à Letra não está indiferente, mas a música, garantimos, aquece.

Por  Ana Luísa Silva
Originalmente publicado a 5 de Novembro de 2010
Actualizado a 8 de Setembro de 2011 

São dois. São dinamarqueses e são de sonho. Comummente comparados aos Everly Brothers o duo dos países nórdicos pouco se importa com isso e continua a fazer expandir a sua música, caracterizada por harmonias vocais sobrepostas pelos dois membros da banda.

Já passava um ano desde a entrada no novo milénio quando a dupla se encontrou em Copenhaga e começou a gravar “Whip It On”. Dotados de uma inteligência e capacidade de aprendizagem únicas que só os povos do Norte conseguem ter, realizaram todas as tarefas relacionadas com a área de produção. O duo contou  apenas com Manoj Ramdas e Jakob Hoyer para oferecerem os seus dotes de guitarra e bateria respectivamente.

 Chain Gang Of Love (2003) e Pretty In Black (2005) são os álbuns que se seguem ao de estreia, abrindo portas para o mais aclamado de todos os álbuns “raveonetteanos”: “Lust Lust Lust” lançado em 2007 e que envia Sune (ele) e Sharin (ela) para a ribalta e lhes dão todos os créditos que mereciam.

Mas se aquilo que o querido leitor gosta é de performances ao vivo cheias de pompa e circunstância, nada melhor do que dar um saltinho a Singapura já no dia 11 de Novembro e colocar-se a par de todos os instrumentos utilizados pela banda. Pois é. Estes meninos vindos do frio tratam-se bem e que o garantam a Fender, Gibson e Gretsche que os têm seguido ao vivo ajudando-os, através dos seus instrumentos musicais, a ganharem cada vez mais nome entre a camada indie-rock, noise pop e alternativa que ainda existe.

Oficialmente a banda foi descoberta pelo editor da revista Rolling Stone, David Fricke no SPOT Festival (que decorre na Dinamarca). Não oficialmente a banda descobriu que David Fricke se iria apresentar no SPOT Festival.

“Whip It On” foi nomeado como "Melhor Álbum Rock do Ano" no Danish Music Awards (Principal Prémio de Música da Dinamarca) no dia 1 de Março de 2003.

Em 2006 Blender nomeou Sharin Foo como uma das mulheres mais sexy, ao lado de Courtney Love, Joan Jett, e Liz Phair.

Abrindo a pista , que com este tema, nunca para uma "last dance":

Regressaram em 2011 com o álbum "Raven in the Grave", e  a fasquia mantém-se bem alta : 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …