Avançar para o conteúdo principal

Zen no Luso Vintage



Zen no Noites Ritual
Foto/Irene Leite 


Corria o Verão de 1996 quando a cidade do Porto foi invadida por um novo ímpeto musical. Desenganaram-se aqueles que se iludiram com o nome da banda. Os ZEN surgiram com uma sonoridade algures entre o “rap-metal”, a fazer lembrar Rage Against the Machine, e o funk, e rapidamente conquistaram a crítica e os fãs.Para recordar, no Inovaluso desta semana.

Por Carmen Gonçalves

Formado por Rui Silva, Miguel Barros, André Hollanda e Jorge Coelho, o colectivo portuense alcançou a fama por ser uma das mais empolgantes bandas em actuações ao vivo. O disco de estreia “The Privilege of Making the Wrong Choice” de 1998, levou-os a tocar por todo o país, inclusive na edição desse ano do Festival de Paredes de Coura.
“11 AM” foi o primeiro tema a ser retirado do álbum, mas foi com U.N.L.O (The Urgency of Need Lingers On) que os ZEN cativaram o público. A música construída sobre a sonoridade da guitarra eléctrica e os dotes vocais de Rui Silva, foi talvez o maior do sucesso carreira dos ZEN.


Quando se esperava que lançassem o segundo disco, surgiu a notícia de um espectáculo no Hard Club, anunciando o fim da banda. Este concerto acabou por ser editado em CD em 2000, como aquele que se pensava ser a última actuação ao vivo dos ZEN. Nesta altura, Jorge Coelho abandonou o grupo sendo substituído por Deus Loura. O mesmo viria a acontecer no final de 2002 com Rui Silva que passou o testemunho a João Fino.


Com estas alterações e um novo fôlego, em 2004 foi editado o segundo registo de originais,  “Rules, Jewels, Fools”. Embora não tenha tido o sucesso do seu antecessor, este álbum comprovou o talento musical da banda, tendo em “Takin' Outside” o single de apresentação.



Este ano e após 13 anos sobre a edição do álbum de estreia, os ZEN estão de volta aos palcos, recuperando os temas de “The Privilege of Making the Wrong Choice”. Mais maduros , mas com a mesma energia, os ZEN estão preparados para devolver aos palcos nacionais o espírito frenético da década de 90, apostando em conquistar novos públicos e deixar um legado para novas gerações. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …