Avançar para o conteúdo principal

Björk em Modo Pop




Da gélida Islândia, a mais camaleónica artista da actualidade surpreende-nos com o seu novo trabalho a editar em Outubro - "Biophilia". O primeiro single do seu mais recente projecto, “Crystalline”, saiu já para os escaparates em Junho e combina tecnologia, música, ciência, natureza e até aplicações para iPAD.
Por Susana Terra


Björk faz já parte do imaginário global não só pelo importantíssimo contributo dado às novas tendências da música alternativa e experimental, como também pela sua participação no cinema enquanto actriz e compositora de bandas sonoras, activista, escritora e até mesmo no mundo da moda (quem não se recorda dos seus extravagantes vestidos?). Björk é uma artista completa sem paralelo no mundo.

Com 45 anos, longa é a sua carreira. Deu os seus primeiros passos na música aos 12 anos tendo editado um álbum na sua terra natal, "Björk" (1977), aos 14 forma uma banda punk apenas de raparigas (Spit and Snot), um ano mais tarde cria o grupo Exodus, que integra fusões de jazz e pouco depois entra num novo projecto que retoma o punk, denominado Jam-80. 

A transbordante criatividade de Björk e a sua necessidade de explorar novos trilhos e reinventar sonoridades transporta-a para o grupo KUKL, de inspiração dark-goth-hardcore-existential-punk-jazz e no qual aperfeiçoa o seu estilo vocal tão singular. Será com os KUKL que se dá a sua primeira tour fora da Islândia e editam dois álbuns. Após o nascimento do seu primeiro filho, forma os Sugarcubes (com uma clara inspiração nos Cocteau Twins) e é finalmente reconhecida em termos internacionais, assinando pela Elektra Records.

A partir de 1993 Björk embarca numa carreira a solo lançando “Debut”, álbum do ano para a NME tendo vendido 2,5 milhões de cópias. “Debut” marca a passagem para a idade adulta e um certo amadurecimento quanto ao rumo das sonoridades que irão marcar os próximos discos, apresentando os estrondosos singles "Human Behaviour", "Play Dead" e "Venus as a Boy". Em 1995 edita “Post”.  Tratam-se de dois discos que são marcos da década de 90 e revelam a sua incursão pelo mundo da música electrónica, colaborando ainda com diversos músicos.

Em 1997 é lançado o álbum “Homogenic” que abraça uma sonoridade mais conceptual e que causou algum celeuma devido aos videoclips, controvérsia que se iria repetir no seu próximo disco, “Vespertine” (2001), cujos videoclips são alvo de censura. Björk lança ainda “Medúlla” em 2004 e "Volta” (2007).

Björk é talvez a mais controversa de todas as artistas mundiais. Com uma criatividade sem limites e dotada de uma voz excepcional, surpreende-nos tanto no plano musical, explorando e criando tendências impensáveis e colaborando com os mais diversos artistas, como no plano visual, apostando numa imagem irreverente e insólita.

Está de regresso este ano com o seu novíssimo “Biophilia”, do qual já podemos escutar o single Crystalline.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …