Avançar para o conteúdo principal

Editorial-Setembro



Link da imagem 

Tchim, Tchim


Setembro. Um mês muito simbólico para o Som à Letra: completamos dois anos.Dois anos em que na tarde de 19 de Setembro de 2009 olhei para um blogue e para um projecto académico, e decidi transformá-los num media digital. Não sabia bem como.

Por Irene Leite 

 Tinha ligação à internet, um blogue e um… facebook. O resto é letra… e muito som. Tanto que nesta tarde de 1 de Setembro de 2011  estou a escrever mais um editorial para este ciberjornal.

Vinho do Porto? Não se assustem, é apenas uma analogia. O site está a nascer e ainda há muito (para sempre) a melhorar, sempre com os vossos feedbacks , pois o  leitor é o protagonista. Tal como esta mítica bebida da invicta, que à medida que envelhece está melhor, também queremos o mesmo trajecto  para o Som à Letra. Melhorar (e alargar) a cada ano os nossos artigos, estar cada vez mais perto dos leitores e sair muito à rua para espalhar o nosso espírito com (muitos) sets e concertos. De referir ainda que neste mês especial prosseguimos com a reunião do nosso arquivo até ao momento (está quase).

Quem também está em fase de celebração são os Pearl Jam (e o grunge). Vinte anos de música, vinte anos de aitude firme, tantas vezes contra as regras chave do mainstream (as tradicionais práticas da indústria musical). Altura propicia para recordar a banda de Black e Alive, sem esquecer o icónio vídeo (do mês) do tema Jeremy.

Ainda há tempo para uma visita ao White Album, dos Beatles , ao percurso dos Cut Copy , Blues Brothers, ou a promessa We Trust, e bons regressos como os Zen (com grande concerto no Noites Ritual).

Temos ainda uma estreia radiofónica por cá,  que será revelada ainda este mês. E claro, não esquecer a programação especial para o dia 19 de Setembro.Querem saber qual? Já só faltam cerca de duas semanas…

Os vossos feedbacks são sempre fundamentais. Já sabem, somaletra@gmail.com.

Obrigada por tudo e ...até já.

Irene Leite 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …