Avançar para o conteúdo principal

The Mission em Portugal





Em ano de comemoração do 25º aniversário sobre a formação da banda britânica, The Mission está de regresso aos palcos para uma digressão europeia que chega a Portugal amanhã e sábado no Hard Club e na sala TMN ao Vivo, respectivamente. Estes concertos contam com a presença de três dos membros originais, Wayne Hussey, Craig Adams e Simon Hinkler, e prometem um regresso aos temas do passado e aos hits que fizeram a história da banda.

Por Carmen Gonçalves


Quando Wayne Hussey e Craig Adams abandonaram os Sisters Of Mercy em 1986, devido a divergências musicais com o então líder da banda Andrew Eldritch, quiseram dar continuidade ao trabalho feito, e formaram a sua própria banda, inicialmente conhecida como Sisterhood. 

Nesta fase inicial tocavam algumas músicas não editadas dos Sisters Of Mercy, e algum material que Eldritch tinha renunciado. Rapidamente encontraram o seu caminho nos trilhos do rock mais gótico, e ocuparam o seu lugar de destaque no panorama musical em Inglaterra.


O rompimento com os Sister of Mercy tornou-se evidente quando Eldritch, numa disputa com Hussey e Adams, editou um álbum cujo título era exactamente “Sisterhood”. Tornou-se claro que a banda recém-formada precisava de um nome novo, tendo surgindo assim The Mission. Com a mudança de nome foi editado o primeiro registo de originais da banda em Novembro de 1986, “God's Own Medicine”, do qual este "Stay with me" faz parte. 




Deste álbum resultou uma tour europeia como banda de suporte aos Cult, e uma tour pelos Estados Unidos.

A banda estava lançada, mas os anos que se seguiram foram de alguma turbulência e divergências entre os membros. Em 1993 deu-se a ruptura, e a segunda formação da banda contou com Brown, Hussey, Mark Thwaite, Rik Carter e Andy Cousin. No ano seguinte foi editado o single “Swoon” que anunciava o 7º álbum do grupo. Com a edição de “Neverland” os “The Mission” reviveram a popularidade que tinham conquistado no passado, embora a produção musical assentasse num registo mais pesado.




Em 1996 as divergências musicais continuaram, e após a edição de “Blue” e a tour que se seguiu, Hussey and Brown decidiram pôr termo à banda. Contudo Hussey continuou a trabalhar nos seus projectos a solo, sem nunca deixar de lado a sonoridade da banda, tendo em 1999 editado no seu próprio estúdio um álbum de versões de temas dos The Mission. O “bichinho” ainda se mantinha e juntamente com Adams, Thwaite e Scot Garrett, Hussey planeou o que seria uma última tour como banda de suporte aos Gene Loves Jezebel. A reacção do público ao regresso da banda foi estrondosa, tendo dado alento para continuarem a formação.

Em 2001 foi lançado “Aura”, com temas mais pesados e estranhamente semelhantes a alguns editados uma década antes. Ainda assim o sucesso foi grande, confirmando a aceitação por parte do público da nova formação. No entanto, a pressão e as divergências musicais continuaram e deram azo a entradas e saídas da banda, até que em 2008 Hussey anunciou o fim definitivo dos The Mission. Passados 2 anos, a editora SPV lançou o último registo de originais “Dum Dum Bullet”, compilando lados-b e raridades nunca editadas. Aproveitando a ocasião Hussey divulgou que em 2011 iria reunir novamente a banda para um tour pela europa. Nas suas próprias palavras:

Quando me perguntaram se queria dar um concerto em Londres para celebrar o 25º aniversário dos “The Mission”, o meu pensamento imediato foi como é que conseguiria fazer algo mais memorável do que as quatro datas completamente esgotadas em Shepherd Bush, em 2008? Exactamente, o que é que o nosso público quer ver? A minha primeira ideia foi tentar convencer os membros originais da banda para nos juntarmos outra vez - assim, como hesitantes promessas de não haver sexo, não haver drogas, ou seja, apenas coisas monótonas no 'tour bus'. Consegui persuadir o Craig Adams e o Simon Hinkler a juntarem-se a mim para a digressão.

E só vamos tocar canções dos álbuns que tocámos juntos, portanto todos os êxitos antigos e nada de novas canções sem sentido, prometo. Nenhuma música nova. Se quiserem ouvir canções novas, vão ver um espectáculo meu a solo da próxima vez que eu for em digressão. Sim, esta digressão dos “The Mission” vai ser só sobre o passado.

Aguardamos para ver!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …