Avançar para o conteúdo principal

Emissão Nº 5-Três às Sextas


Entrevista 

Karla e a sua "Stereochemistry"


Já se sabe que a musica e a ciência estão fortemente ligadas uma com a outra, mas poucos são os temas que envolvem as duas coisas. Há quem se lembre e use o facto para criar doses concentradas de algo que nos possa satisfazer, e depois há... Karla com o seu projeto a solo "Stereochemistry" que pega nesse assunto e leva o relacionamento entre a musica e a ciência mais à frente. 

Por Thomas Anahory 


Entrevista:

1 - Como cientista que és e estando a musica intimamente ligada à física o que achas dos produtos como o iDoser? Verdade ou mais uma maneira de enganar as pessoas?

- Pelo que percebi através do website deles eles basicamente estão a vender trilhas sonoras que te fazem viver uma experiência. Bem a minha opinião pessoal sobre isto é que estão-nos constantemente a vender imagens que supostamente nos fazem viver experiências, filmes por exemplo ou mesmo fotografia. Então porque não vender sons com o mesmo propósito? Até porque eu penso que os sons são a parte fundamental numa experiência humana, muito mais que a visão, porque é muitos mais fácil enganar o olho humano do que um ouvido humano, há muitas mais ilusões de ótica do que ilusões de som se fores a pensar… E eventualmente toda a industria cinematográfica fia-se na sua banda sonora que apoiam as imagens para transmitir as emoções e as intensidade da cena em questão. Vê os filmes de terror por exemplo, se vires um filme de terror em silencio ele não é assustador… É ridículo! Por isso é o som na banda sonora que nos dá o suspende… Por isso eu acho que se ouvires uma gravação bineural do iDoser ou de outra plataforma que as venda ela pode na verdade fazer-te viver qualquer coisa. Não acho que seja um esquema, do meu ponto de vista neutro cientifico não, não é um esquema.,. Definitivamente não.

2 - Tens viajado muito pelo mundo, é garantido que a tua musica tem influencias de várias partes do mundo?

- Sim é verdade, viajo muito e estive há coisa de um ano às voltas pela Europa e estabilizei agora em Berlim. E tenho que dizer que sim, viajar pelo mundo influencia a minha musica, não de uma forma muito especifica uma vez que não incorporo tecnicamente o som Folk de cada pais que já visitei. Tem mais a ver com o absorveres o espaço onde estás, interagir com as pessoas, aprender novas línguas ou apanhar bocadinhos pequenos daqueles sons e de alguma maneira dentro da minha cabeça tudo se mistura e acaba nas minhas musicas de uma maneira muito subtil… É como que um cartão emocional de todo o mundo.

3 - Quando vi o teu ultimo video "Shut Up And Fuck Me" percebi que tem muito de teatral ao ponto do exagero e uma tendência para gozar com certos clichés na sociedade, fala-me um bocado disso.

- Bem, primeiro que tudo gostava de te agradecer por seres um ouvinte muito cuidadoso uma vês que reparaste de imediato na parte teatral da minha musica que é muito importante para mim, na verdade Stereochimistry é um projeto de cabaret e incorporo muito de comédia e caberet nas minhas atuações ao vivo por isso no fundo os meus espetáculos são uma historia em que as musicas são os seus capítulos e há um bocado de comédia entre musicas como que pequenas introduções para cada musica.
Porque é que o faço?
Bom, porque acho que o teatro é uma ótima maneira de comunicar mensagens importantes e fortes e no fundo faz parte do nosso dia-a-dia. Eu pessoalmente acredito que a vida se torna muito mais fácil se não nos levarmos muito a sério, e se de quando em vez nos rirmos aos problemas! E quando eu digo para não nos levarmos a sério não quero dizer para sermos irresponsáveis, de todo, quero dizer que sejamos responsáveis mas não sejamos demasiado dramáticos, não passemos a vida a dramatizar porque os problemas tornam-se cada vez mais pequenos se conseguirmos rir ao longo do tempo e do problema e é ai que ganhamos espaço para as soluções dos nossos problemas

4 - Em breve vai sair o teu 3 álbum, segundo em estúdio, consegues avançar uma data?
- Sim é verdade, estou a trabalhar num novo álbum, e esta a ser gravado à volta do mundo uma vez que estou a gravar com artistas de Espanha, Itália, Jugoslávia e Alemanha que é onde vivo agora, vai ser uma coleção de várias partes do mundo, mas como o projeto tem uma parte de vídeo muito grande e não só musica não te consigo especificar uma data muito precisa mas vou-te mantendo atento. Supostamente está previsto para o inicio deste inverno ou inicio de 2012

5 - O que sentes quando sabes que tens a tua musica a ser ouvida em várias partes do mundo?
-
Sinto-me a pessoa mais feliz do mundo, acho que não há ninguém mais feliz do que eu quando isso acontece. Primeiro porque fazer musica é um dos meus maiores sonhos e pensar que realmente consigo comunicar às pessoas de diferentes culturas e transmitir-lhes algum tipo de sentimento e alguma emoção, e uma mensagem no meio disso tudo, preenche-me fora de qualquer limite, quando isso acontece eu apenas penso "Mr Chimistry" hoje vais dormir feliz! Por isso muito obrigado, obrigado por esta oportunidade que me estás a dar!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …