Avançar para o conteúdo principal

Espaço "Cine à Letra"



Filme,"Submarino"


Apesar das temperaturas quentes ainda se encontrarem pelo país, é oficial, o Verão acabou. Assim sendo, e com o Outono já a esfregar as mãos, aproximam-se aqueles dias em que mais vale estar em casa com um cacau quente a ver um bom filme ou então…numa sala de cinema com umas pipocas. Aguçando apetites…

Por Miguel Ribeiro

Logo a abrir neste mês temos o regresso do inesperado Rowan Atkinson, famosíssimo por Mr. Bean e também pela grande série Black Adder, em O Regresso deJohnny English, num papel caracterizado pelo seu registo de comédia física misturado com o look silly que tanto conhecemos; um filme que pode não justificar uma ida às salas, mas que se estiver à procura de algo leve, estará à altura dessas expectativas.

De regresso também temos o realizador Steven Soderbergh, com Contágio, um filme que trata do tema de um surto de vírus que muito depressa parece estar a acabar com a raça humana; um thriller que conta com um sem número de grandes actores , desde Matt Damon, Jude Law a Gwyneth Paltrow e Kate Winslet, entre outros. Num registo mais de acção e entretenimento puro temos dois filmes para escolher este mês: As Aventuras de Tintim, vindo das mãos de Steven Spielberg, um filme que parece conseguir capturar o espírito da BD original principalmente por ter sido realizado em animação; o outro filme é Os Três Mosqueteiros, película que conta com nomes como Orlando Bloom e Milla Jovovich e que aresenta (mais uma vez) a estória de Alexandre Dumas e de como um grupo elite de mosqueteiros protege o Rei de uma conspiração contra si; um filme de acção que no entanto não vêm com as melhores referências, pois por detrás da sua autoria temos Paul W.S.Anderson, famoso realizador por detrás da adaptação ao cinema dos videojogos Resident Evil, e que como todos sabemos, por si só sendo más adaptações, roçam o “razoávelzinho” , no que a Cinema toca, esperemos que desta vez a coisa corra melhor.

Passado em Espanha no século XVII, surge nos cinemas uma obra que conta com actores de várias nacionalidades, desde espanhola, francesa, belga a norte-americana mas principalmente com Vincent Cassel (Irreversível) e Sérgi López (Labirinto de Fauno), O Monge conta a história do irmão Ambrósio, um pregador admirado pelos seus pares, mas que com a chegada de um novato vê a estrada para o pecado cada vez mais perto e as suas crenças a abalarem, um filme que tem tudo para ser bom e que parece merecer a nossa atenção. 


De França, menção para dois filmes: Pater, de Alain Cavalier, que conta com ele mesmo e Vincent Lindon, e com uma estória engraçada, onde vemos dois amigos, que gostam de se divertir e de sonhar que filmes é que poderiam fazer; ocasionalmente ligam a câmara de filmar e vestem-se como homens de poder, apenas para verem que tipo de confusão conseguem criar com histórias falsas; um drama com uma premissa interessante; a outra obra a reparar é Românticos Anónimos, uma comédia romântica em que duas pessoas apaixonadas pelo mesmo (chocolate) se começam a conhecer, mas onde a timidez é demasiada, tanta que ameaça a paixão entre os mesmos.

Do Reino Unido surge um dos filmes que mais tem sido bem recebido nestes últimos tempos: Submarino, a estreia do realizador (e neste caso também argumentista) Richard Ayoade, onde conhecemos o protagonista Oliver Tate de 15 anos, que tem dois objectivos: perder a virgindade e fazer com que os seus pais se mantenham juntos, vejam o trailer e não percam esta obra nos cinemas.

Para acabar, (e embora hajam mais obras a que se deviam fazer referência) dois filmes portugueses: Sangue do meu Sangue que conta com actores como Nuno Lopes, Rita Blanco e Beatriz Batarda, um drama de João Canijo onde várias tragédias ameaçam a destruição de uma família; e O Barão , de Edgar Pêra, uma obra que revive a história de um vampiro interpretado por Nuno Melo, que assombra os habitantes de uma região mas que também padece de ser alguém com um lado mais humano e sentimental, um filme misterioso com uma personagem também cheia de segredos, vale a pena estar atento a esta obra nacional que já tem várias referências em festivais internacionais.

Menção também a alguns filmes aos quais deixamos os links de trailers: Appolo 18 (ficção científica, terror) Offside (comédia iraniana) The Good Heart (drama) e Don’t be Afraid of the Dark(terror).

Um resto de um bom mês a todos os cinéfilos e bons filmes!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …