Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"




The White Stripes 




Por Bruno Vieira 
Originalmente publicado a 13 de Agosto de 2010


Recentemente li numa conhecida revista que os anos 2000 não tinham servido para nada no que respeita à música. Não poderia estar mais em desacordo na medida em que, com maior ou menor reconhecimento, cada década teve a sua história e o enquadramento próprio face às décadas anteriores e seguintes.



Na minha opinião o sentimento de desvalorização relativamente a algo está muito dependente da apreciação que cada um faz, e a música não é excepção. O facto de, por algum motivo, não nos identificarmos com uma determinada tendência leva-nos a uma análise parcial e redutora quando comparado com algo que realmente gostamos.


É frequente ouvir dizer que já não há bandas como antigamente, que já não há clássicos, que já não há isto ou que já não há aquilo. À excepção da geração actual que tem vivido os anos 2000 e que se tem mantido atenda ao estabelecimento de importantes bandas como os Muse, White Stripes, Libertines ou os The Strokes, são raros os exemplos de pessoas doutras gerações que estão familiarizados com estes nomes, inclusive a geração anterior, na qual me incluo.

Os anos 2000 musicais são, de um modo geral, incompreendidos e mal amados, mas sempre pelos motivos errados e devido essencialmente ao desconhecimento pela falta de divulgação dos novos nomes da música. Estes são sempre comparados, em perda, relativamente aos das décadas anteriores.


É mais ou menos como comparar o Maradona ao Eusébio, ou este em relação ao Cristiano Ronaldo, são comparações impossíveis, ou seja, cada um no seu tempo e enquadramento específico. Como é que é possível afirmar que hoje em dia não há artistas como dantes, quando a maioria das pessoas nem sequer os conhece? Refiro-me obviamente aos artistas fora do âmbito mais comercial.


Quanto muito, estes apenas conseguem tornar-se conhecidos do grande público quando já se tornaram tão comerciais ao ponto da maioria das rádios não ter receio em arriscar passar a sua música, como por exemplo os The Killers.

As especificidades da última década marcada por uma divulgação musical tendenciosa e pelo desapego do público em consumir música de forma legal (devido à generalização da pirataria), levou muitos dos consumidores (compradores) de música até aos anos 90, a encarar a mesma de forma descartável nos 2000s.


Piratear, usar e deitar fora é a palavra de ordem. Ao invés de servirem a música, a maioria da pessoas serve-se da música e isto não tem nada a ver com o menor talento dos artistas actuais, como muitas vezes se ouve, antes com a falta de divulgação das rádios que consequentemente levam a maioria das pessoas ao desconhecimento da realidade.



Mas nem tudo é negativo, e no meio de uma indústria musical decadente sobrou espaço para a música ao vivo. É certo que concertos e festivais não são propriamente uma novidade mas, nos últimos anos, têm vindo a ganhar terreno face às cada vez mais irrelevantes vendas de discos.

No meio de mortos e feridos a música ao vivo foi a sobrevivente, com boas perspectivas para assim se manter nas próximas décadas, e ainda bem porque, se esta tivesse batido no fundo como as vendas de discos ou o duvidoso critério das playlists da maioria das rádios, aí estaríamos irremediavelmente condenados à total ignorância.


A música ao vivo com a variada oferta de concertos e festivais, acabou por tornar-se num símbolo de liberdade principalmente por quem anseia descobrir novas sonoridades no meio do marasmo da divulgação musical em Portugal.


O público, em vez de se contentar apenas com o que lhe é imposto, em que a música é servida como se de fast-food se tratasse, tem desta forma uma oportunidade de partir à descoberta de outras realidades. No meio de tantas portas fechadas, a música ao vivo parece ser a única forma de rumar contra a corrente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …