Avançar para o conteúdo principal

Crítica: Zola Jesus


Conatus 

Por Marcelo Pereira
Apesar de já contar com três álbuns e alguns EPs no seu repertório discográfico, foi no ano passado – aquando do lançamento do álbum “Stridulum II”, que Zola Jesus afiançou popularidade crítica e notoriedade entre um público devoto. Deste modo, e após uma recepção mais ampla das suas idiossincrasias musicais, eis que “Conatus” se descortina (através de um stream perscrutado pelos fãs mais dedicados) perante uma comunidade expectante: volátil e irregular, irá Zola Jesus recorrer às sonoridades algo sombrias e florestais de “New Amsterdam” (2009), aos meandros atmosféricos do gothic rock de “The Spoils” (2010), ou aos ritmos funéreos e a ambiência lúgubre de “Stridulum II”(2010)?


Refrescante e inventivo, “Conatus” é, acima de qualquer característica estilística que lhe possam atribuir, um projecto arrojado e singular, repleto de autenticidade e inovação, onde a distintiva pessoalidade de Nika Roza Danilova (o verdadeiro nome da artista) ecoa com alguns travos aos seus trabalhos precedentes, mas que conta com sabores frescos e muito particulares. Desde a faixa introdutória “Swords” (capitulada com um instrumental de tonalidades frenéticas e metálicas), ao desarmante “Vessel” (que, originalmente lançado como single estreante, recorda a monumentalidade vocal de “Manifest Destiny” ou a alçada tétrica de “Lightsick” – ambos temas presentes no antecedente “Stridulum II”), “Conatus” é, prescrito como um projecto pautado pela sua multiplicidade enquanto disco de diversas temáticas e sonoridades, uma pronunciação variada da inspiração negra e sorumbática de Zola Jesus enquanto autora. “Hikikomori” e “Ixode” ascendem aos pináculos do álbum com eficácia e rapidez, solidificando não só o porte conceptual de “Conatus”, como se consagram entre os melhores temas que Jesus já teve o deleite de compor. “Lick the Palm of the Burning Handshake” e “Skin” são as faixas que mais divergem do apanágio estilístico da artista norte-americana, suavizadas por um piano harmonioso e uns odores mais ténues, não tão sobrecarregados com a tragicidade e a morbidez habitual de sucessos como “Night”, “I Can’t Stand” ou “Clay Bodies”.


Siga a continuação do artigo em: http://wtmo.fm/2011/09/review-zola-jesus-conatus/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …