Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"




Link da imagem


Girls no Lux (Lisboa) – 29/11/2011


Por Bruno Vieira


Mais do que uma típica reportagem de concerto, este texto é antes o relato de uma experiência, abordagem escolhida sempre que os meus conhecimentos de determinado músico ou banda são escassos. O facto de ter poucas referências (embora positivas) de Girls, banda de indie-rock de São Francisco, só aguçou ainda mais o apetite mal soube que iriam estar no Lux, em Lisboa.

Sem grande atraso e com a sala bem composta, os Girls liderados por Christopher Owens, cujo look faz lembrar Kurt Cobain, iniciaram o concerto com “My Ma” tema do seu mais recente longa-duração “Father, Soon, Holy Ghost”, o segundo de originais da banda, lançado este ano. Curiosidade ou nem tanto, foi o facto dos microfones estarem ornamentados com flores. Relembramos que os Girls vêm de São Francisco, cidade que esteve no centro do movimento de contracultura “Flower Power” contra a Guerra do Vietname. E é recuando até esse tempo que vamos encontrar as principais influências da banda, desde o surf-rock dos Beach Boys presente em temas como “Laura”, “Honey Bunny” ou “Lust For Life” até o hard-rock de Deep Purple em “Die” e ao psicadelismo de “Morning Light”, que de certa forma terão surpreendido alguns dos presentes, sobretudo os menos conhecedores do repertório da banda, eu incluído.

Por outro lado, “Love Like a River” e “Alex” mostram que os Girls não ficaram alheios aos clássicos americanos, já quanto a “Vomit” a primeira coisa que me vem a cabeça é a sonoridade Radiohead. Daí que a música dos californianos de modo geral possa agradar ao público roqueiro, tanto a gregos como a troianos. Quase nenhuma década passada do rock, à excepção talvez da de 80, parece ter ficado no esquecimento. Se quisermos situar a música de Girls no contexto actual, não é difícil encontramos afinidades com bandas como Beach House, Wavves, The Drums ou Best Coast.

Voltando aos discos, de relembrar que o álbum de estreia da banda, lançado em 2009, foi tão simplesmente baptizado de “Album”, seguido do EP “Broken Dreams Club” o ano passado. O já referido segundo longa-duração “Father, Soon, Holy Ghost” viu a luz do dia em Setembro passado, confirmando os californianos como um nome a ter em conta no panorama do rock alternativo actual e não só. Se o primeiro tinha obtido já críticas bastante favoráveis, o segundo não foi mais do que a confirmação de que os Girls estão bem e recomendam-se. Apenas como exemplo “Father, Soon, Holy Ghost” surge entre os 50 melhores álbuns de 2011 para títulos como o NME e Q Magazine.

Sem grandes palavras entre músicas, mas com uma actuação bastante segura, Christopher Owens e companhia convenceram, deixando boa imagem ao público que acorreu ao Lux para os ver. Claro destaque para os temas do mais recente trabalho, como seria de esperar, o resto repartido quase de igual forma entre o disco de estreia e o EP. Será certamente uma experiência a repetir, desta feita com outro background. Quando tão grande é a diferença entre o que se sabia e o que se ficou a saber, o saldo só pode ser positivo. Os Girls ganharam mais um seguidor…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …