Avançar para o conteúdo principal

À conversa com...

Kevin Kummins





Capturou muitos dos melhores momentos da música pop contemporânea. Falamos sobre , ícones, futebol, de Morrissey a Bowie, passando pela arte, pelas drogas e, acima de tudo sobre trabalho.Kevin Cummins aceitou o desafio e partilhou memórias. Confira. 


Por Luis Graça 






Escolhi esta imagam (capa do 40º aniversário do NME) com o Morrissey,  visto ser ele uma das figuras mais influentes da música pop do nosso tempo – minha opinião. Se tivesses que escolher ou elaborar um top 5 das pessoas contemporâneas que consideras melhor se “encaixarem” na tua objectiva quem seriam eles?

Morrissey, Bowie, Courtney Love, Liam Gallagher, Ian Curtis.

Qual foi o artista que mais gostaste de fotografar e já agora o pior?

As melhores pessoas para fotografar são aquelas que conheçem bem a sua imagem e como ficam nas fotos. Dito isto, é um desafio tirar uma foto a quem é francamente tímido. As piores pessoas para fotografar são aquelas que já o foram centenas de vezes. Apenas te dão a sua “imagem fotográfica”. Não te deixam penetrar no seu Mundo.

Com esta conversa pretendo igualmente que os leitores compreendam exactamente o que é a função de chefe de fotografia numa publicação de renome Mundial como o New Musical Express na qual ocupaste esse posto. Como é o dia a dia nessas funções?

“Erva como pequeno almoço, Jack Daniels e coca para o lanche e cocaína ao jantar….!

Acredito que cada capa de um disco tem uma história. Podes escolher dois dos teus trabalhos favoritos e explicar-nos o que esteve na base de cada um desses momentos particulares no tempo?

Esta fotografia é de uma paisagem urbana. A banda é acidental – apesar de crucial – para a composição final. Estou interessado na forma como a fotografia te pode contar uma história. Esta frieza, um tanto ou quanto depressiva, melancólica, explica a essência da música dos Joy Division muito melhor do que 1000 palavras. 


MORRISSEY: Outra paisagem urbana mas com um objectivo mais preciso. Reflete a qualidade que na altura eu sentia que as letras de Morrissey tinham.


Será este nosso Mundo actual digno de se lhe tirar uma foto? Esta claro, é uma pergunta social. Estás por favor à vontade no sentido de responderes da forma que queiras. Problemas sociais, crise global, política, etc ( e tanto aí no Reino Unido como aqui em Portugal actualmente temos tantos casos políticos para discutir…).

É cada vez mais difícil tirar fotos no Reino Unido. Temos câmaras de vigilância por todo o lado. Temos uma força policial demasiado agressiva. Por outro lado, a população Mundial pensa estar tão ciente do fenómeno media que assume por exemplo que um fotógrafo ganha milhões de euros pelos seus trabalhos . Assim sendo, raramente nos deixam tirar-lhes uma foto – pedindo-nos compensação financeira para tal. Frequentemente nas minhas deslocações tiro fotos para capturar momentos com pessoas desconhecidas e é cada vez mais difícil tirar-lhes fotografias naturais.
Que se passa convosco ? Deixem-me tirar-vos uma FOTO!!

Manchester é provavelmente uma das cidades no mundo onde existem mais bandas de qualidade por metro quadrado.
Quais são as maiores diferenças entre as bandas dos anos 80 e as actuais?

A Manchester dos anos 80 tinha muitos bairros da Câmara e tinha igualmente dormitórios destinadas a estudantes. As rendas baixas e as rendas subsidiadas permitiam à malta nova passar o seu tempo livre a fumar “erva” e a tocar música. Alguns derivaram para outras formas de expressão artística onde não era necessário ganhar muito dinheiro para sobreviver. Hoje em dia, tudo isso desapareceu. Se és jovem e queres ser músico, precisas do teu dinheiro no início. O som da classe operária no Reino Unido é hoje muito pouco audível.

Dou-te um nome oriundo de Manchester e tu fazes o teu comentário:
a) Ian Brown: One Love
b) Morrissey: I Wanna be Adored
c) Oasis: Good Times
d) Ian Curtis: Where Angels Play
e) Kevin Cummins: Don’t Stop
f) Vini Reilly: Your Star Will Shine

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …