Avançar para o conteúdo principal

Ornatos Violeta no Luso Vintage





Ornatos Violeta. Um nome incontornável da música portuguesa dos anos 90 para muitos jovens na altura. Infelizmente, um grande ponto de interrogação para a maioria das novas gerações. 

Por Ana Nelas
Originalmente publicado a 16/11/10 

O que tem Manuel Cruz? Um Cão e um Monstro [que] precisa de amigos? Tem isso e muito mais. Tem ou tinha. Creio que continua a ter. Tem também um Peixe que é guitarrista, um teclista chamado Elísio (Donas), um Nuno que é de Prata e é baixista e ainda um baterista com nome de nórdico – Kinörm. Para além de tudo isso… Tem romance. Aliás, é um Capitão do Romance.

Com uma sonoridade que facilmente se atribui “a Ornatos e mais nada”, a música Capitão Romance aborda a temática por uma perspectiva counter-flow. Porque o romance não tem só a ver com dois, tem a ver também com o que um só pode ser. Para poder ser dois, é preciso saber ser sozinho.

É um tema sem grandes complicações, para que possamos apreciar toda a sua profundidade. Recorre a uma sonoridade pouco comum nas bandas da altura, um pouco eclético, um pouco de cidadãos do mundo; relaciona-se facilmente com a música popular de leste, ou mesmo com as raízes portuguesas.

Creio que a Capitão Romance é um dos temas que melhor exprime um dos pontos centrais dos Ornatos Violeta e, consequentemente, de Manuel Cruz. A alma de viajante, de aventureiro, de querer sair do conforto e descobrir sempre mais, sem saber bem o que esperar (metafórica ou fisicamente). É ser arrojado, não ter medo ou tê-lo abertamente. É ser mais, querer mais, ir mais longe.





Com apenas 11 anos de carreira, os Ornatos Violeta despediram-se assim “Até um dia.” Oito anos volvidos, continuamos a esperar ansiosamente por um regresso. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Emissão Nº 3-Três às Sextas

Ingrid Michaelson

Link da imagem

Ingrid Michaelson é uma cantora com um cartaz de estilos que vão do Folk ao Pop. Gosta de cozinhar mas vive para a musica e nela demonstra uma grande versatilidade. Ritmos "catchy" que falam, invariavelmente, das típicas relações... Não é por isso que a musica de Ingrid é menos boa e não deixa de merecer um lugar neste programa.
Por Thomas Anahory 

Musicas: Sort Of - do àlbum "Everybody" ;  Parachute - Single You and I - do àlbum "Be OK"

Miguel Esteves Cardoso em Dá que pensar...

"Para uma família ser feliz, é necessário haver sedução. Os filhos têm de ser charmosos para encantar os pais, os pais têm de se esforçar para educarem convincentemente os filhos. E marido e mulher, caso queiram permanecer juntos, têm de passar a vida inteira a engatar-se. O mal da família é a facilidade. É pensar que aquele amor já é assunto arrumado."