Avançar para o conteúdo principal

Ornatos Violeta no Luso Vintage





Ornatos Violeta. Um nome incontornável da música portuguesa dos anos 90 para muitos jovens na altura. Infelizmente, um grande ponto de interrogação para a maioria das novas gerações. 

Por Ana Nelas
Originalmente publicado a 16/11/10 

O que tem Manuel Cruz? Um Cão e um Monstro [que] precisa de amigos? Tem isso e muito mais. Tem ou tinha. Creio que continua a ter. Tem também um Peixe que é guitarrista, um teclista chamado Elísio (Donas), um Nuno que é de Prata e é baixista e ainda um baterista com nome de nórdico – Kinörm. Para além de tudo isso… Tem romance. Aliás, é um Capitão do Romance.

Com uma sonoridade que facilmente se atribui “a Ornatos e mais nada”, a música Capitão Romance aborda a temática por uma perspectiva counter-flow. Porque o romance não tem só a ver com dois, tem a ver também com o que um só pode ser. Para poder ser dois, é preciso saber ser sozinho.

É um tema sem grandes complicações, para que possamos apreciar toda a sua profundidade. Recorre a uma sonoridade pouco comum nas bandas da altura, um pouco eclético, um pouco de cidadãos do mundo; relaciona-se facilmente com a música popular de leste, ou mesmo com as raízes portuguesas.

Creio que a Capitão Romance é um dos temas que melhor exprime um dos pontos centrais dos Ornatos Violeta e, consequentemente, de Manuel Cruz. A alma de viajante, de aventureiro, de querer sair do conforto e descobrir sempre mais, sem saber bem o que esperar (metafórica ou fisicamente). É ser arrojado, não ter medo ou tê-lo abertamente. É ser mais, querer mais, ir mais longe.





Com apenas 11 anos de carreira, os Ornatos Violeta despediram-se assim “Até um dia.” Oito anos volvidos, continuamos a esperar ansiosamente por um regresso. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …