Avançar para o conteúdo principal

Cine à Letra-Dezembro



Melancholia



Chegámos a Dezembro, que como todos sabem, é a altura festiva de eleição para muitas pessoas com o Natal e o Réveillon no horizonte, altura de dar presentes às pessoas que amamos e de pedir para que o próximo ano seja (além de um melhor ano para todos nós) um ano fantástico para o Cinema. Vejamos que presentes estão guardados para nós nas próximas semanas.


Por Miguel Ribeiro

Começamos pelos filmes que aproveitam esta altura festiva para nos trazer um pouco de nostalgia e para justificar uma ida ao cinema para que possamos nos divertir e entreter um pouco sem pensar muito. Para começar, O Rei Leão regressa aos cinemas, uma das últimas grandes obras de animação da Disney e a primeira a ser dobrada em português, volta agora em 3D e promete apaixonar uma nova geração que ainda não conhece esta excelente obra. No capítulo da animação sugerimos também Happy Feet 2 e O Gato das Botas, ambos continuações de franchises já conhecidos embora O Gato das Botas aproveite esta cómica personagem dos filmes Shrek e a explore mais a fundo, originalmente com Antonio Banderas no papel do famoso gato

Embora esta seja uma época festiva, encontramos também filmes que se afastam deste ambiente colorido. Lars von Trier regressa agora com o filme Melancholia, um drama de reflexão sobre duas irmãs e a sua díficil relação, mas que como em qualquer filme de Lars von Trier, esperem várias camadas de análise num filme que ganhou vários prémios em Cannes que vale a pena ver, pese embora o seu tom angustiante e depressivo, um filme que conta com actores como John Hurt, Kirsten Dunst e Kiefer Sutherland. Dentro do registo thriller para os que procuram algo com mais acção encontramos já nos cinemas A Dívida, um thriller de espionagem que conta com grandes actores como Tom Wilkinson, Helen Mirren e Jane Goldman .Destaque também para  Anónimo do realizador Roland Emmerich, um filme que especula sobre o verdadeiro escritor de todas as grandes peças e romances sobe o nome de William Shakespeare, um filme com muita intriga política e perfeito para fãs de teorias da conpiração. Noutro registo temos Drive, filme em que o actor Ryan Gosling interpreta um duplo de cinema perito em condução que usa as suas capacidades para ajudar em fugas após assaltos, merecedor de muita da crítica positiva que recebeu e tem recebido, inclusive em Cannes, e que já se encontra nos cinemas.

A chegar às salas portuguesas a partir de 22 de Dezembro temos O Diário a Rum com Johnny Depp no papel principal, mas que conta também com um elenco de luxo com actores como Aaron Eckhart e Giovanni Ribisi, um filme baseado num romance escrito pelo grande Hunter.S.Thompson, autor que de resto já foi interpretado em duas obras anteriores (Where The Buffalo Roam, Fear and Loathing in Las Vegas) uma das quais tinha também Johnny Depp no papel principal, um filme que conta a estória de um jornalista que vai trabalhar para um jornal nas Caraíbas, mas onde os seus vícios de drogas, alcóol e mulheres permanecem enquanto se envolve com um dos homens mais poderosos da ilha; contem com uma narrativa extremamente rica e excelentes interpretações. 

Para acabar, menção a outros filmes que vão surgir mais para o fim do mês: Apollo 18, um filme de ficção científica com dose de terror e suspense, que tem recebido críticas favoráveis para quem é fã de obras similares como por exemplo Alien de Ridley Scott; Roman Polanski regressa com O Deus da Carnificina, uma obra filmada quase inteiramente durante a altura da sua prisão domiciliária na Suiça e com as interpretações de actores como John C. Reilly, Jodie Foster e Kate Winslet, onde a narrativa aborda dois casais que se encontram para discutir a luta em que os filhos dos mesmos se envolveram, uma comédia com tons negros de um dos grandes mestres do Cinema; para terminar e embora hajam mais filmes merecedores de atenção, sugerimos uma comédia de nome Ano Novo, Vida Nova! que aproveita a aproximação do Réveillon para atrair espectadores, filme que aborda as relações, com promessas de amor, perdões, risos e tristeza próprias deste tipo de filmes e que conta com actores como Ashton Kutcher, Jessica Biel, Robert De Niro e Zac Efron.

Do Som à Letra desejamos a todos um feliz Natal e um excelente ano para todos com muito Cinema à mistura. Divirtam-se!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …