Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"








The Indies recordam os Anos 80: “Jackpot”


Das várias compilações editadas em Portugal na década de 80, o Jackpot foi provavelmente a mais popular de todas. Passada a fase da música infantil e juvenil, estava na altura de ouvir a música que os adultos ouviam, não por ser adulto, mas porque a pré-adolescência faz-nos sentir mais velhos do que realmente somos. Como qualquer jovem de dez anos, ter um LP implicava pedir aos pais. O problema era o preço, qualquer LP em meados dos Anos 80 custava em média 1.200$00 (cerca de 6 €) bem mais caro que um CD nos dias de hoje, tendo em conta o rendimento da época.

Por Bruno Vieira 

Daí que as alturas ideais para conseguir um eram os aniversários, as épocas festivas, ou quando transitava de ano na escola. As compilações eram uma boa forma de ter uma discografia diversificada e na década de 80 haviam muitas a começar pelo já referido Jackpot da EMI-Valentim de Carvalho. Quase tão populares foram o Polystar e o Hit Parade (Polygram), o Superdisco (Edisom) e o Top Genius (CBS).

Aproveitando a crescente popularidade da música dos Anos 80 na primeira década do presente milénio, a EMI Music Portugal procurou recuperar a mística do Jackpot, editando em 2007 a compilação “Jackpot - Remember the 80`s” em duplo CD de 38 faixas. Passados vinte anos e com o mercado discográfico já em crise, houve que explorar da melhor forma o filão dos 80s, ou seja, ir ao encontro da faixa etária dos 30/40 com o poder de compra que na altura não tinham.

À parte de interesses comerciais, esta reincarnação do Jackpot foi uma boa surpresa, em primeiro lugar porque não são frequentes compilações nacionais de música dos Anos 80. Em segundo lugar porque sendo nacional dá destaque a alguns temas que fizeram mais sucesso entre nós do que lá fora (os chamados êxitos locais). Em terceiro lugar é bastante abrangente no que respeita a estilos musicais (new wave, pop electrónico e mainstream, soft rock e um cheirinho alternativo e r&b), primando pelo bom gosto e, mais importante ainda, quase escapa ao clichê europop do trio Stock, Aitken e Waterman. A única excepção é Mel & Kim a finalizar o CD 2. Alguns temas mais batidos terão já feito parte de muitas outras compilações, outros nem tanto como State Of The Nation dos Industry, Don`t Forget Me dos Glass Tiger ou The Politics Of Dacing dos Re-Flex. Mas o grande destaque vai para Shouldn`t Have To Be Like That dos já quase esquecidos Fra Lippo Lippi. Vale a pena recordar.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Sobre esse CD e sobre o facto de não incluir muita coisa produzida pelos SAW, a razão é simples. O "Jackpot" era uma compilação da Valentim de Carvalho/VECEMI/EMI-Valentim de Carvalho e a maioria do material produzido pelos SAW era da PWL, que em Portugal era representado pela Edisom, logo, é mais normal encontrar esse material nos "Super Disco" do fim da década.
    Para esse CD, a EMI local também não quis dar dinheiro a ganhar a outras editoras, e nem fazia sentido, pois estragava o conceito do projecto, que era colocar em CD coisas que tinham feito parte dos LP's editados na altura.
    Mas depois disso, já foram colocadas no mercado vários compilações anos 80, quer pela Farol, quer pela Vidisco, com diversos discos, só com Pop, só com Slows, etc...etc...e até com videoclips.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …